Terminou de forma emocionada a ligação de Hernán Barcos ao Grémio de Porto Alegre. Quase três anos depois de ter chegado ao tricolor gaúcho, os cortes financeiros levaram o goleador argentino a aceitar uma proposta do futebol chinês. 55 jogos e 45 golos depois, o “Pirata” disse adeus aos adeptos e ao clube que promete guardar no coração. De malas feitas para o Changchun Yatai, Barcos não conseguiu disfarçar as lágrimas de tristeza durante a conferência de imprensa.

Com um contrato de dois anos que vai render ao argentino cerca de 8 milhões euros, o “Pirata” fez questão de agradecer a toda a estrutura do clube do Brasil, justificando a sua saída com os problemas financeiros do Grémio: “Já dei conferências de imprensa difíceis, mas nunca tão difíceis como esta.

Publicidade
Publicidade

Hoje é o dia mais difícil da minha carreira. Chegaram muitas outras propostas, mas não queríamos aceitar porque a ideia era eu renovar o meu contrato. Mas o presidente falou comigo sobre os planos de levar o Grémio onde o clube tem que estar, e faz parte do plano cortar na folha salarial”, disse de forma emocionada aos jornalistas.

Garantindo que se houvesse dinheiro no clube, renovava e terminava a carreira no tricolor, Hernán Barcos disse ainda perceber o descontentamento dos adeptos com a sua saída: “Eles [adeptos] não vão entender, mas eu que estou aqui dentro entendo. Entendi a mensagem do presidente, a situação actual do clube e a necessidade do dinheiro que vai entrar. Se estivesse numa situação melhor, eu assinaria um contrato para terminar a carreira aqui”.

Presente na conferência esteve também o director executivo do Grémio de Porto Alegre, Rui Costa, que justificou a saída do avançado do clube treinado por Luiz Felipe Scolari, reforçando que esta só valeu a pena pelos 2 milhões e 600 mil euros que vão entrar nos cofres do emblema gaúcho: “Não faria sentido libertar um atleta como ele se não fosse por uma compensação financeira.

Publicidade

Tínhamos dívidas que assumimos por questões da negociação com o Palmeiras, mas em nenhum momento o Barcos cobrou-nos esses valores. Agora, conseguimos pagar essa dívida. Explicámos a nossa realidade, que é dura, e ele fez as projeções profissionais que tem que fazer como atleta e pai de família”, esclareceu o director do clube, que depois de Zé Roberto, vê agora sair outro capitão.

Depois da conferência de imprensa, Barcos desceu até ao relvado pela última vez para se despedir dos colegas, tendo saltado à vista o longo e emocionado abraço que o argentino trocou com Scolari. Termina assim uma ligação de quase 3 anos que findou com o “Pirata” a marcar dois jogos na última vez que vestiu as cores do Grémio. Foi no dia 31 de Janeiro, na vitória por 3-0 frente ao União Frederiquense, a contar para primeira jornada do campeonato Gaúcho. Segue-se nova experiência na China, para onde parte ainda esta semana. #Futebol