Foi com polémica que o Estadual do Rio de Janeiro deu o seu pontapé de saída. O actual campeão em título, o Flamengo, deslocou-se até Macaé, mas um acto de violência da sua massa adepta acabou por manchar o regresso à competição. Cerca de 100 membros de uma das claques organizadas invadiu, literalmente, o balneário da equipa da casa e agrediu o guarda-redes adversário. A vítima foi Ricardo Berna, guarda-redes do Macaé e ex-jogador do rival Fluminense. Os actos já foram repudiados pela direcção do "Mengão", que não se escusou a apontar o dedo à Federação de #Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ).

Num acto que já é chamado no País do samba como "arrastão", o Flamengo reagiu este domingo aos tristes acontecimentos, através de comunicado.

Publicidade
Publicidade

Em nota divulgada à imprensa, o campeão estadual de 2014 culpa a FERJ, por haver, no momento da confusão, apenas um segurança à porta do balneário: "Estranhamos o facto de a organização do jogo, segundo testemunho de representante da FERJ, ter designado apenas um profissional para cuidar da segurança de um portão de entrada aos balneários, e logo para uma partida com lotação esgotada. O Clube de Regatas do Flamengo repudia, combate e desencoraja qualquer tipo de violência física ou verbal e exige a total apuração dos factos lamentáveis ocorridos no estádio Moacyrzão, neste sábado", pode ler-se no sítio oficial da internet do clube.

Macaé acusa Vanderlei Luxemburgo de ser responsável pela violência

No final da partida que terminou com um empate 1-1, com o golo do Flamengo a ser apontado por Alecsandro (ex-Sporting), o treinador do Macaé, Josué Teixeira, apontou o dedo ao técnico do "Mengão", Vanderlei Luxemburgo, por este ter proferido "palavras irresponsáveis" na véspera do jogo, que acabaram, na sua opinião, por incendiar o ambiente entre as duas equipas.

Publicidade

Quem não deixou para amanhã a resposta, foi o líder do "Fla" que rebateu as críticas a si apontadas: "Tinha segurança no estádio? Não. E quem mandava no jogo? O culpado sou eu? Depois do que aconteceu na Federação, com as ofensas ao presidente, podemos abrir um pouco para falar alguma coisa. Se fossemos convidados para participar na elaboração do calendário do campeonato, podíamos dar a ideia de não viajarmos mais para um campo onde seja proibido o reconhecimento do relvado. Era algo que devia estar no regulamento e não está", afirmou "Luxa" no final do encontro.

A grande e maior vitima destes incidentes acabou por ser Ricardo Berna, que mesmo depois de agredido, foi a jogo, entrando em campo com um curativo no seu queixo, cumprindo sem aparentes dificuldades os 90 minutos do encontro. Começa com polémica o Campeonato Carioca, sendo certo que a "guerra" aberta entre Flamengo e a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro está para durar, prometendo novos episódios para breve.