Gil Vicente e Boavista empataram a um golo, em jogo da 23ª jornada da Liga, disputado no Estádio Cidade de Barcelos. O Boavista adiantou-se no marcador aos 76 minutos, mas os barcelenses conseguiram chegar ao empate nos últimos segundos do tempo de compensação, roubando dois pontos aos panteras. A partida foi sempre muito disputada e equilibrada, com as duas equipas a dividirem a posse de bola (51% - 49%) e os remates (13 - 12). O Boavista mostrou sempre um #Futebol mais adulto e mais trabalhado, enquanto os gilistas jogaram sempre mais com o coração, conscientes da importância deste jogo para as contas da manutenção.

José Mota apresentou um onze com muitos reforços de inverno, com destaque para Cadu, Berger e Yazalde.

Publicidade
Publicidade

Petit fez duas alterações na equipa, relativamente ao jogo de segunda-feira com o FC Porto: Tengarrinha no lugar de Idris e Uchebo no de Leozinho. Uma pantera que apostou no físico para a luta a meio campo, destacando-se Reuben Gabriel, e na velocidade no ataque, com o tridente Brito, Uchebo e Zé Manuel, sempre apontado à baliza de Adriano.

Na primeira metade do encontro a equipa da casa mandou. Mais tempo de posse de bola e também mais ataques e remates. O Boavista jogou mais na expectativa, a estudar bem o adversário e as condições de jogo. Depois do intervalo, tudo se inverteu. Os axadrezados tomaram conta do jogo e mostraram-se sempre muito mais perigosos. Petit deixou Zé Manuel nos balneários e apostou em Beckeles para reforçar o miolo, libertando um pouco Anderson Carvalho e Tengarrinha para funções mais de apoio ao ataque.

Publicidade

Foi, sem qualquer surpresa e já depois de Uchebo ter perdido duas boas oportunidades, que Brito inaugurou o marcador, impondo justiça no jogo. O Boavista jogava melhor e teve mais uma boa oportunidade para matar o jogo, mas Beckeles falhou o golo.

Petit recuou a equipa (provavelmente cedo demais), retirando Anderson Carvalho e fazendo entrar Fábio Ervões, deixando os galos mais à vontade na luta no meio campo. Cinco minutos depois, retirou ainda Brito, que estava a ser uma dor de cabeça para a sua antiga equipa, e colocou em campo Julián. José Mota agradeceu a marcha atrás do Boavista e, num último fôlego, conseguiu chegar ao golo do empate, aos 90 minutos.

O Boavista deixou fugir a vitória, e uma vantagem que podia ser de 7 pontos para o seu adversário, passou, num minuto, para 4 pontos. Podia ter sido um passo de gigante rumo à permanência, mas, mesmo assim, graças à vitória no jogo da primeira volta, os axadrezados ficam em vantagem no confronto directo com o Gil Vicente.