À medida que passam as horas saem à luz mais detalhes da badalada festa de Cristiano Ronaldo, que não olhou a meios para a controversa celebração depois de ter saído do Vicente Calderón com uma humilhante goleada. CR7 gastou cerca de 400 mil euros no seu trigésimo aniversário, que teve lugar num restaurante de luxo em La Finca, uma exclusiva urbanização em Pozuelo de Alarcón, nos arredores de Madrid, onde o português e outros craques do Real residem. A festa foi à grande, com direito a comida, bebida, fogo-de-artifício e a actuação do cantor colombiano Kevin Roldán, que publicou no Instagram um pequeno vídeo no qual aparecia junto ao avançado merengue a cantar o tema "Si no te enamoras".

Publicidade
Publicidade

A indiscrição da estrela do reggaeton na Colômbia fez com que essa imagem seja a mais comentada nos últimos dias nas redes sociais. Jorge Mendes, representante de Cristiano, já afirmou que o jogador não gostou que tenha sido tornado público algo que deveria ser privado.

Um dos aspectos mais curiosos do evento foi o facto de ter a sua própria "moeda oficial", repartida pelos 160 convidados que estiveram presentes na mega festa, na qual não faltaram mesas de póquer e blackjack, segundo revelou a televisão espanhola La Sexta, que mostrou imagens de uma nota do dinheiro, de cor escura, que foi distribuído pelos convivas, na qual estava inscrita a frase: " A constância dá o êxito".

Na nota, com o valor fictício de cinco dólares, também constava o dia do aniversário de CR7 (05-02-15) e o número 30, idade do craque madeirense, formado pelo número 3 e uma Bola de Ouro, igual às três que Ronaldo já ganhou na sua carreira desportiva.

Publicidade

De acordo com a imprensa do país vizinho, o menu degustado pelos convidados era mais apropriado para um casamento real do que para um aniversário. Caviar, presunto de porco preto, mil-folhas caramelizado de foie e maçã, atum marinado com soja e sésamo, lagostins, lagosta, lombo de pescada e filé mignon com vinho tinto eram algumas das iguarias, revelou La Sesta.

Em relação às bebidas, foi servido o champanhe Cristal, de Louis Roederer (que custa uns míseros 160 euros por garrafa), o vinho branco Sanamaro 2012, das Rias Baias (135 euros a unidade) e o tinto Veja Sicília Único, da Ribera del Duero (235 euros).

A polémica causada por esta inoportuna festa não se fez esperar. Os adeptos do Real Madrid têm sido muito críticos com todos os que foram ao evento, tendo usado a hashtag #LaFiestaDeLaDeshonra (a festa da desonra) para demonstrarem a sua indignação. Ontem, um reduzido número de simpatizantes do clube esteve das instalações de Valdebebas com a mesma intenção. Dois deles, mostravam mesmo uma faixa onde se lia "Vuestra risa, nuestra verguenza" (o vosso sorriso, a nossa vergonha).

Publicidade

Por outro lado, Kevin Roldán já reagiu nas redes sociais às críticas por ter partilhado imagens da festa. "A minha intenção era apenas mostrar aos meus seguidores um feito que me enche de felicidade, ter sido contratado pelo Bola de Ouro e glória do #Futebol mundial, Cristiano Ronaldo", escreveu, acrescentando: "Nunca me disseram que não podia partilhar o que se passou no evento".

Quem não gostou nada desta "brincadeira foi o presidente do Real. Segundo a Marca, o evento vai marcar "um antes e um depois" no que diz respeito à disciplina no clube, com Florentino Pérez a tomar as rédeas. James Rodríguez, Khedira e Modric, que estavam lesionados, deverão ser os principais prejudicados. O alemão, cujo contrato termina no final da temporada, deverá mesmo ter os dias contados no Santiago Bernabéu. Alguns dos jogadores que estiveram na festa confidenciaram ao jornal que o fizeram para apoiar CR7, que "não tem andado bem". #Famosos