O ex-jogador português, reconhecido internacionalmente, anunciou hoje, 19 de Fevereiro, tudo aquilo que pretende alterar como presidente da FIFA. No dia que apresentou oficialmente a sua candidatura ao cargo, Figo deixou a lista de reviravoltas que considera serem necessárias na organização. O alargamento do Campeonato do Mundo de 32 para 40 ou 48 equipas é uma delas. Mas a sua bandeira eleitoral são as federações nacionais, sendo que ex-sportinguista quer mais investimento nas mesmas: "50 por cento das receitas da FIFA, ou seja 2,5 mil milhões de dólares, devem ser distribuídos pelas federações nacionais" durante quatro anos, afirmou o jogador, segundo o "Record".

Publicidade
Publicidade

Falamos de um montante a distribuir pelas federações que irá ser complementado com mais mil milhões de dólares [do fundo de reserva] da FIFA. O luso afirmou que 500 milhões de dólares chegam para certificar os gastos operacionais da organização internacional de #Futebol.

Na apresentação feita no Estádio do Wembley, em Londres, Figo voltou a frisar a importância que o futebol teve na sua vida e a sua tristeza por ver a destruição da reputação da federação máxima da modalidade , cujo líder há já 17 anos (e também é candidato nas próximas eleições) é o suíço Joseph Blatter. Falando de transparência e "mudanças estruturais fundamentais" o ex-jogador, que passou por vários clubes, reforçou ainda a necessidade de todo o processo de dar dinheiro às federações ser "auditado".

Publicidade

"Se for feito da maneira certa, o investimento aumentará as oportunidades no mundo inteiro. Todo o financiamento será auditado para assegurar que o dinheiro é utilizado correctamente", assegurou Luís Figo.

Pronunciando-se também sobre as alterações às leis do jogo que acredita serem importantes, o ex-jogador recordou pelo meio as suas origens: um bairro social da margem sul de Lisboa. Porque foi esta modalidade que lhe permitiu chegar onde chegou, o grato antigo futebolista pretende oferecer a mesma oportunidade a outros jovens e defende que 50 por cento do fundo de solidariedade deve ir para a produção de infraestruturas para o futebol de formação. As suas esperanças são de que haja um incremento de até 10 por cento de jovens registados na prática do jogo.

A FIFA tem sido tema de muita controvérsia nos últimos anos e espera-se que mudanças drásticas criem igual mudança de imagem da federação. Para além de Figo e de Blatter, os outros candidatos são o príncipe Ali bin Al-Hussein e Michael van Praag. As eleições realizam-se a 29 de Maio. E quanto ao nosso Figo, o mesmo já recebeu o apoio de outro peso pesado do futebol, David Beckham.