O Sporting teve hoje um teste de fogo, e cumpriu, apesar das dificuldades verificadas, mantendo-se assim na luta pelo título nacional de futebol. Para quem achava que este jogo seria apenas para cumprir calendário, o Arouca foi um osso duro de roer e o jogo foi envolto em polémica. No final, os leões mostraram toda a sua força e união para dar a volta a uma situação adversa, vencendo a partida por 1-3.

O clube leonino viu a sua vida muito complicada, quando se encontrou a perder frente ao Arouca, ao minuto vinte e três, na conversão de uma grande penalidade, a penalizar uma mão na bola por parte de um jogador, que quis ser protagonista no encontro desta noite, Jonathan Silva.

Publicidade
Publicidade

Um Arouca que se mostrou atrevido e disponível para discutir o “jogo pelo jogo”, não soube aguentar a preciosa vantagem conseguida no início da partida, e passados somente 7 minutos, o inevitável goleador da equipa leonina, Freddy Montero, cheio de oportunismo, igualou a contenda - resultado que se verificou até ao intervalo.

No reatamento do encontro, o #Sporting surgiu dos balneários motivado e “obrigado” a esboçar uma reacção positiva, para não deixar fugir Porto e Benfica. Os leões vão receber os encarnados na próxima jornada e não poderiam dar-se ao luxo de perder pontos. Impondo o seu jogo, o Sporting colocou-se em vantagem no marcador, com um golo do talentoso Carrillo. A partir deste momento, a polémica e as decisões duvidosas começaram a surgir. Ao minuto 71, Kayembe é derrubado em falta dentro da área do Sporting, lance na qual o árbitro nada assinalou - um penalty que poderia dar o empate a duas bolas para a formação arouquense.

Publicidade

Depois deste lance, a equipa leonina “matou” o jogo, marcando o golo da tranquilidade ao minuto 77. Através de um canto, o jovem Tobias Figueiredo decidiu a partida e fez com que a sua equipa somasse três pontos preciosos. Com os ânimos à flor da pele, Jonathan Silva, numa tentativa de agressão, foi expulso e “incendiou” o banco do Arouca. Na sequência do lance, Augusto Inácio, treinador-adjunto dos leões, não controlou as emoções e também ele foi expulso da partida. No final do encontro, ouviu-se “ gatuno” nas bancadas do estádio do Arouca, dirigidos claramente para a equipa de arbitragem. Estes reclamam o lance do suposto penalty não assinalado, que poderia ter mudado o rumo dos acontecimentos. #Futebol