Tem sido recorrente o facto de Jorge Mendes defender "até à morte" Cristiano Ronaldo, e o mesmo voltou a acontecer esta segunda-feira. O empresário português, enalteceu novamente o carácter profissional do capitão da selecção portuguesa, lembrando que se fosse outro jogador, não tinha forçado e ido ao Campeonato do Mundo do último verão que se disputou no Brasil. Já sobre a lesão no joelho, Mendes garantiu que faz parte do passado.

Em mais uma apresentação pública, e na forma quase emocionada com que enuncia todos os predicados do melhor jogador do Mundo, Jorge Mendes afirmou ainda que Cristiano Ronaldo é um exemplo para todos, dentro e fora do campo: "Cristiano é um exemplo.

Publicidade
Publicidade

Quer sempre jogar. Se não fosse tão profissional nem tinha ido ao Mundial e tinha ficado a descansar. Mas ele é assim e vai continuar a sê-lo. Ele é sem dúvida um modelo a seguir pelos jovens, principalmente pela forma como gere o seu dia-a-dia", afirmou durante a apresentação da edição portuguesa do seu livro Jorge Mendes - o agente especial. Numa cerimónia que contou com vários nomes do panorama do #Futebol nacional, como foram os casos de Paulo Bento, Jorge Jesus, e dos jogadores do Sporting William Carvalho, João Mário e Adrien Silva, o empresário afastou os rumores que falavam num regresso da lesão no joelho de Ronaldo.

Fim dos fundos de investimento prejudicam futebol português

Outro dos temas abordado esta noite foi a proibição da participação de fundos de investimento nos clubes e nas transferências de jogadores.

Publicidade

Jorge Mendes, foi particularmente crítico para com esta nova norma, lamentando a imagem negativa que foi criada em redor deste tema: "Nada pode proibir um jogador de se transferir para um clube melhor, de ter um trabalho melhor. Esta medida vai prejudicar e muito o futebol português e já hipotecou muitos negócios que estavam certos. Lembro que nomes como Falcao, James ou Di Maria, entraram na Europa pelo futebol luso e tal não seria possível sem o contributo dos fundos", afirmou o super agente que tem em carteira cerca de 80 jogadores, num valor total que ronda os 500 milhões de euros.