Foi definitivamente um fim-de-semana negro para o #Futebol em Portugal. Depois do caso em Oliveira do Douro, ocorreu mais um episódio triste e de violência contra uma equipa de arbitragem. O jogo entre União de Lamas e o Recreio de Águeda durou apenas 20 minutos. Um golo anulado, por parte do juiz Ricardo Silva, fez um adepto lamacense perder e cabeça e agredir, de forma bárbara, o árbitro assistente que estava do lado contrário à bancada central.

Numa partida atrasada e que contava para a jornada 3 da 1ª divisão da Associação de Futebol de Aveiro, o União de Lamas tinha a hipótese, em caso de vitória, de passar para o segundo lugar do campeonato, ultrapassando o adversário deste domingo.

Publicidade
Publicidade

No entanto o jogo ficou marcado por cenas lamentáveis de violência. O lance que originou a discórdia ocorreu aos 20 minutos, quando o árbitro aveirense Ricardo Silva anulou um golo à equipa da casa, assinalando pontapé de baliza. Descontente com a decisão do homem do apito, um adepto do emblema lamacense invadiu o campo e agrediu o árbitro auxiliar. Ao tomar conhecimento da ocorrência, o líder da equipa de arbitragem decidiu interromper o jogo, alegando que não estavam reunidas as condições de segurança para que a partida prosseguisse.

Já com a presença de militares da GNR no Estádio Comendador Henrique Amorim, que identificaram o agressor e confirmado o reforço de efectivos, com mais três elementos da segurança em redor do relvado, Ricardo Silva manteve a sua posição e, 30 minutos depois, deu por terminada a partida.

Publicidade

União de Lamas arrasa árbitro chamando-o de ‘arrogante’

Tomada a decisão de dar por terminado o jogo, o staff directivo do União de Lamas não conseguiu esconder a indignação com o árbitro Ricardo Silva, tendo o presidente do emblema da casa, José das Neves Alves, arrasado o juiz aveirense: “O árbitro alegou que não tinha segurança. Ele pediu que tivesse a presença da GNR e nós garantimos toda a segurança. O senhor árbitro disse que não ia retomar a partida. Toda a gente viu que foi um caso isolado. Lamentamos que a Associação de Futebol de Aveiro não seja capaz de nomear um árbitro capaz, porque este [Ricardo Silva] só anda com um apito, não tem capacidade para ser juiz, só anda aqui para ganhar dinheiro. Só pelo facto de ter entrado um adepto no relvado, decidiu terminar o jogo. Faltou ao respeito ao União de Lamas e a todos os que estiveram no estádio”, disse o líder máximo do clube lamacense aos órgãos de comunicação social locais.

Presentes no Estádio estiveram Álvaro da Fonseca, presidente da Associação de Futebol de Aveiro e José Neves Coelho, líder do Conselho de Arbitragem do futebol do distrito, que assistiram in-loco a todos os desenvolvimentos. Espera-se agora uma decisão sobre este caso, que mais uma vez terminou com cenas de violência contra os árbitros.