Até aos últimos minutos do clássico, quando o #Sporting vencia o seu rival Benfica e dominava o encontro, tudo parecia correr às mil maravilhas para a turma de Marco Silva, depois de uma crise no início do ano. Porém, quando num lance caricato o Benfica empatou a partida nos últimos minutos, os problemas voltaram à tona. Ontem, completamente apático, o Sporting empatou contra o Belenenses e fica assim cada vez mais longe do segundo posto.

No final da partida contra o Sporting, a equipa de Belém "deu-se ao luxo" de estar notoriamente triste por ter roubado pontos a um dos grandes. Estava desiludida por ter empatado um jogo contra uma equipa que foi pior e que empatou no último lance do jogo - o que diz muito da exibição leonina.

Publicidade
Publicidade

Com este resultado, o FC Porto está agora a 5 pontos e o Benfica, em caso de vitória, ficará a 9. Factos que levaram ontem, em conferência de imprensa, Marco Silva a admitir que a luta pelo título está praticamente perdida e que é, neste momento, uma missão "quase impossível" atingir o topo da classificação. "A exibição foi muito má, parecia que tínhamos entrado a vencer", concluiu.

Esta humildade e franqueza do treinador do Sporting podem não ter caído muito bem ao presidente Bruno de Carvalho, que já fez saber que não gosta de discursos negativistas e derrotistas. Sempre com opinião, o presidente tem virado a sua atenção contra os comunicados do Benfica, mais propriamente contra os ataques feitos por Luís Filipe Vieira à sua pessoa e ao Sporting. Na sua página oficial, Bruno de Carvalho ripostou e afirmou que o presidente do Benfica é egocêntrico e que pretende ser "o Papa do #Futebol português".

Publicidade

Na declaração, Bruno de Carvalho admite que o tipo de discursos que Vieira produz apenas fomenta ódios e que as suas afirmações são "disparates hipócritas, ridículos e falsos". Estas observações têm vindo a criar mal-estar na sua família, pois a cada dia que passa as ameaças de morte a si e aos seus têm aumentado gradualmente, confessou o presidente. Depois do corte de relações institucionais, Sporting e Benfica nunca estiveram tão afastados e as acusações mútuas são diárias.