Ao lado de comediantes, directores de grandes empresas, banqueiros, artistas, celebridades ou herdeiros de gigantecas fortunas que fazem parte da interminável lista de mais de cem mil nomes ligados ao alegado caso de evasão fiscal através do ramo suíço do banco britânico HBSC Private Banking, surgem várias figuras conhecidas do mundo do desporto. Das 61 personalidades identificadas pelo Le Monde, três estão ligadas à Fórmula 1, duas ao ténis e as restantes três são bem conhecidas dos amantes do futebol e do motociclismo. A investigação, baptizada Swissleaks, revela documentos fornecidos por um informático, Hervé Falciani, ex-trabalhador do HSBC em Genebra, ao governo francês em 2008, que deu início a uma investigação.

Publicidade
Publicidade

O jornal francês teve acesso a parte da documentação e partilhou-a com o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) e com repórteres de mais de 40 países.

Flavio Briatore, antigo patrão da equipa da Renault e da escuderia Benetton, pela qual Michael Schumacher se sagrou campeão do mundo de F1, surge ligado a nove contas, sendo beneficiário de seis delas. No total, as actividades do antigo dirigente são avaliadas em 73 milhões de dólares no período 2006-2007. Fernando Alonso, bicampeão do mundo, hoje em dia piloto da McLaren-Honda, está relacionado com quatro contas, num total de 42,3 milhões de dólares. Por último, Heikki Kovalainen, cuja carreira de piloto foi, durante algum tempo, gerida por Briatore, tem três contas vinculadas ao seu nome, contendo um total de 132.765 dólares.

Publicidade

No mundo da raquete, também saltam à vista o nome de dois atletas. O primeiro, Marat Safin, terá detido três contas bancárias em 2006 e 2007, com 4,87 milhões de dólares repartidos entre elas. Membro de um partido político na Rússia, foi eleito deputado em 2011. Paradorn Srichaphan, jogador no início dos anos 2000 (chegou a ser número nove mundial em 2003), teria um milhão e meio de euros depositados em cinco contas.

Estrela da Moto GP e nove vezes campeão do mundo, Valentino Rossi também vê o seu nome envolvido neste escândalo, com 23,9 milhões de dólares em duas contas bancárias. O advogado de Il Dottore frisou, contudo, que o seu cliente já regularizou a situação com o fisco italiano.

O melhor jogador do Campeonato do Mundo de futebol de 2010, Diego Forlán, também consta da lista, com 1,4 milhões de dólares no banco. O Le Monde refere ainda a presença nos ficheiros de Christophe Dugarry, campeão do mundo com a selecção francesa em 1998. O antigo craque do Bordéus, hoje comentador no Canal Plus, terá sido detentor de uma conta em 2005, associada a uma sociedade offshore, Faroe Capital, aberta pela filial do HSBC nas Ilhas Virgens Britânicas.

Publicidade

Conta que teria cerca de dois milhões de euros.

Além destes nomes sonantes ligados ao desporto, o ICIJ publica informação sobre 61 personalidades (nenhuma portuguesa) como Mohammed VI, rei de Marrocos, Abdullah II, rei da Jordânia, o designer de moda Valentino, a modelo Elle McPherson, o actor Christian Slater e o banqueiro Edouard Stern.