Nélson Évora foi "vencido" pelo francês Renaud Lavillenie e pelo britânico Mo Farah. Vindo logo a seguir, em terceiro, na votação que é promovida pela Associação Europeia de Atletismo (AEA), o atleta do Benfica continua a somar reconhecimentos atrás de reconhecimentos. Para si e para Portugal. "É um reconhecimento do nosso trabalho e dos resultados", afirmou aquando da sua nomeação. Até ao momento não há ainda comentários oficiais sobre este terceiro lugar, por ser uma notícia anunciada há cerca de duas horas.

A sua nomeação veio no seguimento dos seus 17.21 metros, melhor marca europeia do ano em triplo salto. O desportista, especialista nesta modalidade, mas que também pratica salto em comprimento, confessou-se "feliz" e disse que a honra é um "incentivo extra".

Publicidade
Publicidade

Nascido em 1984, Nélson Évora é actualmente um atleta reconhecido internacionalmente, que representa o Sport Lisboa e Benfica e o nosso país em várias competições: tendo sido campeão do mundo do triplo salto, em 2007, e medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008.

Por causa das suas lesões, o português teve de se submeter a seis cirurgias no espaço dos últimos quatro anos, e existiam dúvidas em relação à sua capacidade física de voltar às grandes performances. Mas em declarações a vários meios de comunicação, o atleta já confirmou recentemente que desanimou várias vezes, mas nunca pensou em desistir: "porque amo mesmo o que faço".

Este terceiro lugar vem comprovar a sua volta às vitórias, que são motivo de orgulho para muitos portugueses. À sua frente ficaram Renaud Lavillenie, nascido em 1986, campeão olímpico francês, especializado no salto com vara.

Publicidade

Desde 2014, detém o recorde do mundo da especialidade em pista coberta, com a marca de 6.16m. E Mohamed "Mo" Farah, nascido em 1987, fundista campeão mundial e olímpico britânico, especialista nos 5.000 e 10.000 metros. Este é, portanto, um trio bastante cobiçável.

No feminino, a melhor do mês de Fevereiro foi a holandesa Sifa Hassan, seguida pela inglesa Katarina Johnson-Thompson e pela holandesa Dadoen Schippers.