No clássico desta noite de domingo, dia 22, para além da disputa isolada do campeonato espanhol, estará em jogo o trono de #Cristiano Ronaldo. Se o português não carimbar uma boa exibição e a sua equipa perder contra o Barcelona, a excelente fase que Lionel Messi atravessa neste momento poderá ser suficiente para que, em Janeiro, reconquiste a Bola de Ouro da FIFA. Mais que um clássico, a partir das oito da noite, em Camp Nou, o planeta vai assistir a um frente-a-frente entre os dois melhores jogadores do mundo.

Lionel Messi tem apresentado, nos últimos jogos, a velha forma que fez com que conquistasse a Bola de Ouro quatro vezes consecutivamente.

Publicidade
Publicidade

Em percurso contrário, está o actual melhor jogador do mundo em título, Cristiano Ronaldo, que não tem demonstrado o seu futebol habitual e, sobretudo, não tem sido tão influente nas suas jogadas ofensivas, tendo vindo a marcar poucos golos desde o início do ano civil. Este facto, a juntar à má fase que o Real Madrid atravessa, pode pôr em causa a hegemonia de Ronaldo, pois Lionel Messi e o seu Barcelona estão a praticar um #Futebol de qualidade e o argentino está desejoso de ser novamente coroado rei do futebol.

Para além das repercussões individuais que este encontro acarreta, o vencedor irá isolar-se no comando da liga espanhola. Neste momento, Barcelona tem uma vantagem de um ponto em relação ao Real Madrid e joga esta partida decisiva em sua casa, pelo que é dado pelos especialistas como favorito à vitória.

Publicidade

A praticar um futebol que faz relembrar o Barcelona de há três anos atrás, a equipa catalã tem vindo a somar vitórias atrás de vitórias, enquanto a principal equipa da capital perdeu o seu último jogo de uma forma surpreendente, em casa contra o Schalke 04 para a Liga dos Campeões.

As formas das duas equipas não poderiam ser mais discrepantes, porém, e segundo a gíria do futebol, "nos clássicos não há favoritos". Cabe a Ronaldo e companhia demonstrar toda a sua qualidade e disputar a partida contra o super Barcelona olhos nos olhos. Muito mais que um jogo de futebol, esta poderá ser a guerra do ano e o momento de afirmação para o futuro melhor jogador do mundo.