O Camp Nou vai ser o palco da final da Taça do Rei de Espanha, no próximo dia 30 de Maio. Barcelona e Athletic Bilbau queriam jogar no Santiago Bernabéu, mas a recusa do Real Madrid deitou por terra essas pretensões. Com o recinto merengue fora de cena, os dois finalistas não conseguiram chegar a acordo para uma sede, pelo que foi a Real Federação Espanhola de #Futebol (RFEF) a tomar a decisão. O anfiteatro catalão teve 26 votos e San Mamés (em Bilbau) 18. Mestalla (Valência) e Benito Villamarín (Sevilha) eram as outras opções, mas foram descartadas numa primeira votação.

Esta escolha dará lugar a uma imagem muito curiosa: a do Barcelona a jogar como visitante no seu próprio terreno.

Publicidade
Publicidade

Assim está previsto nos estatutos e assim aconteceu nas anteriores finais entre Barça e Athletic. Os regulamentos dizem que deve actuar como equipa local o clube cuja fundação tenha acontecido mais cedo, neste caso, o emblema basco. Desta forma, os jogadores culés vão viver a experiência de ocupar o balneário visitante do Camp Nou. Será a primeira vez que isso acontece, uma vez que a anterior final que o Barcelona jogou no seu estádio foi contra o Zaragoza, clube mais jovem do que o catalão.

Esse jogo foi em 1963 e os da casa ganharam 3-1, com golos de Pereda, Kocsis e Zaldúa. Villa marcou para os forasteiros. Os azulgranas jogaram mais finais em Barcelona, mas noutros estádios. Em 1912, no campo de La Industria, bateram a Gimnástica de Madrid (2-). Em 1915, repetiram o triunfo, no mesmo palco, ante a Real Sociedad (2-1).

Publicidade

No estádio de Montjuic, impuseram-se na final de 1957 ao Espanyol, por 1-0.

Já o Athletic disputará no dia 30 de Maio a sua sétima final da Taça em Barcelona. E as recordações da cidade condal não poderiam ser melhores. A equipa basca ganhou as seis finais disputadas na capital da Catalunha. Curiosamente, nenhuma foi em Camp Nou. Quatro foram em Montjuic e duas no Muntaner.

O troféu em disputa na Taça do Rei 2015 será diferente das anteriores edições da prova, uma vez que já terá o brasão do rei Felipe VI. O novo escudo, que substitui o do seu pai, Juan Carlos I, é todo dourado e é formado por quatro divisões, segundo o sítio da RFEF na internet.