O #Benfica sofreu apenas dois golos em casa, nos jogos a contar para a I Liga portuguesa, registo que ninguém supera, não só em Portugal, como na comparação com os cinco campeonatos mais importantes da Europa: Espanha, Itália, Inglaterra, Alemanha e França. Júlio César e Artur são responsáveis pelo recorde dos encarnados. Artur encaixou o primeiro golo no campeonato, a 31 de Agosto de 2014, na sequência da finalização de Slimani, internacional argelino, numa partida em que o Benfica empatou a um com o Sporting.

Menos de um mês mais tarde, João Pedro marcou o golo do Moreirense no Estádio da Luz, com Júlio César na baliza, mas os encarnados foram mais felizes, uma vez que venceram por 3-1.

Publicidade
Publicidade

Ou seja, o Benfica ainda não foi buscar qualquer bola ao fundo da sua baliza nos jogos disputados no campeonato português em 2015. Na I Liga, FC Porto e Sp. Braga são os principais rivais do Benfica, neste âmbito, com três e cinco golos sofridos, respectivamente.

Chelsea em igualdade com dois rivais

A melhor marca fora de Portugal pertence ao Chelsea, líder da Premier League, com seis golos sofridos, em igualdade com Lille, oitavo classificado em França, e Bayern Munique, primeiro classificado na Bundesliga. Com sete golos sofridos, surge a Juventus, líder destacada da Série A, em igualdade com o Sevilha, que ocupa o quinto posto do campeonato espanhol. Júlio César e Artur superam, portanto, os guarda-redes do futebol mundial, como Thibaut Courtois (Chelsea), Vincent Eneyama (Lille) ou Gianluigi Buffon (Juventus).

Publicidade

Apesar de, neste ranking, haver duas equipas do futebol português, é na equipa andaluza que surge o único guarda-redes nacional: Beto, que defende a baliza do Sevilha há praticamente três épocas consecutivas.

O sonho de Júlio César

Com o rendimento de luxo, Júlio César continua a sonhar com a selecção brasileira: "Acho que meu tempo na seleção não acabou. Estou no Benfica, uma equipa que luta por títulos e é respeitada no mundo inteiro, por isso dá-me condições de sonhar com isso. Em Portugal reencontrei minha auto-estima. Em Inglaterra [pelo Queens Park Rangers] passei por momentos complicados, mas agora reencontrei a alegria em jogar futebol e acho que posso continuar a pensar na seleção brasileira", referiu, em entrevista à Veja.