Craques como Neymar, Messi, Luis Suárez (Barcelona), James Rodríguez, Marcelo, Lucas Silva (Real Madrid), David Luiz, Thiago Silva (Paris Saint-Germain), Dante ou Rafinha (Bayern Munique) poderão falhar a final da Liga dos Campeões, mesmo que as suas equipas consigam o apuramento para o tão ambicionado jogo de Berlim. Tudo devido ao calendário da Copa América e à falta de entendimento entre a UEFA e a FIFA. A final da Champions quase coincide com o início do torneio sul-americano. O FC Porto também seria afectado. A FIFA sugeriu aos grandes clubes europeus que comecem desde já a negociar com a Confederação Sul-Americana de #Futebol (CONMEBOL) um adiamento, para poderem contar com os seus jogadores daquele continente numa eventual final da Liga dos Campeões.

Publicidade
Publicidade

A Copa América 2015, que se disputa este verão no Chile, tem início marcado para o dia 11 de Junho. Os regulamentos da FIFA indicam que os clubes devem libertar os atletas para os compromissos com as selecções presentes na prova 14 dias antes do seu início, ou seja, a 29 de Maio. O problema é que a final da Liga dos Campeões está marcada para 6 de Junho, apenas cinco dias antes do pontapé de saída do torneio sul-americano.

Quase todas as equipas seriam fortemente afectadas por esta situação, caso nada seja feito para a evitar. O Real Madrid, por exemplo, não poderia contar com James Rodríguez, Marcelo e, eventualmente, Lucas Silva. Um dos mais prejudicados seria o Barcelona, que perderia as suas duas maiores estrelas, Messi e Neymar, e Luis Suárez, caso o actual presidente da FIFA, Josepp Blatter, seja reeleito nas eleições de 29 de Maio e lhe dê um indulto que permitiria anular a sanção do uruguaio pela mordidela na Chiellini no Mundial do Brasil do ano passado e participar na Copa América com o Uruguai.

Publicidade

Apesar de não ser um dos favoritos a chegar à final, o FC Porto também enfrentaria sérios problemas caso o fizesse. O goleador Jackson Martínez estará certamente entre os seleccionados da Colômbia, o mesmo acontecendo com Herrera no conjunto mexicano. Há ainda a possibilidade de jogadores como Danilo, Alex Sandro ou mesmo Casemiro serem chamados ao "escrete" brasileiro. Outro dos emblemas que tudo fará para evitar este cenário é, com certeza, o Paris Saint-Germain, que perderia quase toda sua defesa (os indiscutíveis Thiago Silva e David Luiz e ainda Marquinhos e Maxwell), além de Pastore, Lavezzi e Cavani.

A questão não é nova, mas ganha este ano novos contornos devido à "guerra" que se vive actualmente entre a UEFA e a FIFA, motivada pela diferenças entre os seus presidentes, Michel Platini e Sepp Blatter, respectivamente. As organizações não renovaram o chamado "Pacto de Entendimento" através do qual se regula a cessão de jogadores internacionais. O acordo terminou no passado dia 31 de Agosto e a Associação Europeia de Clubes tem vindo a insistir junto da UEFA para que esta pressione a FIFA para que não seja obrigatório libertar os internacionais americanos em plena temporada na Europa, para amigáveis que impliquem viajar a outro continente.

Publicidade