Agora é mesmo oficial, o Campeonato do Mundo do Qatar em 2022 vai jogar-se no inverno. Com esta medida, foi também confirmada a data em que se jogará a final da competição. Será a 18 de Dezembro, dia nacional daquele pequeno País do Golfo. Outra alteração é a duração do torneio, que se vai prolongar durante 28 dias, menos quatro que noutras edições. Esta foi a fórmula aprovada pelo Comité Executivo da FIFA e apresentada esta quinta-feira, dia 19.

Será a primeira vez na história de um Mundial que a competição se irá disputar em pleno inverno, coincidindo desta forma com o desenrolar dos campeonatos europeus, algo que vai obrigar a um verdadeira remodelação nos calendários #Futebolísticos internacionais.

Publicidade
Publicidade

A opção pelo inverno deve-se ao facto de ser imperativo "fugir" às altas temperaturas que se fazem sentir no Verão no Qatar, em que os termómetros chegam com naturalidade aos 50 graus centígrados. Decidida que está a data da realização do Mundial, chega ao fim uma polémica que durava desde 2010, precisamente quando a FIFA escolheu os cataris para organizarem aquele que é "só" o segundo maior evento desportivo à face da Terra, superado apenas pelos Jogos Olímpicos.

A FIFA, em conjunto com as federações internacionais, vai ter de estudar a melhor fórmula para se reorganizarem os calendários futebolísticos. Recordamos que nunca um Mundial se realizou no Inverno, o que vai obrigar a uma profunda alteração dos campeonatos. Desta reunião do Comité Executivo da FIFA saiu ainda a decisão sobre o organizador do Campeonato do Mundo feminino de 2019.

Publicidade

A escolha recaiu na candidatura da França, que assim levou a melhor sobre a Coreia do Sul.

Ligas europeias não escondem descontentamento com Mundial no Inverno

Defensores de um Mundial 2022 durante o mês de Maio, numa altura em que o calor ainda não "aperta" muito no Qatar, as Ligas europeias não esconderam o descontentamento com a confirmação de que o torneio se realizará de facto no Inverno. A EPFL - Associação das Ligas Profissionais Europeias considera que esta escolha "vai perturbar e causar graves danos no normal desenrolar das competições no Velho Continente".