Os bastidores da Fórmula 1 não páram antes do Grande Prémio da Malásia, que decorre no próximo fim-de-semana, e várias notícias importantes surgiram nos últimos dias. Na segunda corrida da temporada de 2015, é quase certo o regresso de Fernando Alonso, depois do misterioso acidente na pré-temporada. Já o campeão Lewis Hamilton deve renovar o seu contrato com a Mercedes ainda antes de correr o circuito de Sepang, onde é favorito a repetir a vitória de 2014. As previsões de chuva e trovoada prometem trazer emoção extra à prova, que vai certamente ter uma grelha de partida mais completa do que o GP da Austrália. E já há certezas quanto ao GP da Alemanha: (pelo menos) este ano a prova não consta do calendário.

Fernando Alonso já se encontra na Malásia, onde amanhã (26) vai ser sujeito a uma última bateria de testes pela FIA, sendo quase certo que vai entrar em pista. O espanhol já garantiu que está pronto para voltar à competição num circuito onde já venceu por três vezes. Depois de ter falhado a primeira corrida por estar a recuperar do acidente sofrido na pré-temporada (e cujos pormenores ainda não são conhecidos), o piloto arranca assim atrasado para a época de regresso à McLaren.

Publicidade
Publicidade

O favorito à vitória é o actual campeão mundial, Lewis Hamilton, que assim repetiria o triunfo do ano passado. Mas, ainda antes de entrar em pista, o inglês deve ver o seu generoso contrato com a Mercedes renovado. O vínculo com a escuderia termina no final da temporada e Hamilton assumiu ontem que é provável que o novo acordo seja assinado ainda antes da corrida de domingo (29). O piloto britânico já lidera a tabela individual da F1, depois do triunfo contundente no GP da Austrália, numa demonstração de que a sua supremacia (e a da Mercedes) está para durar em 2015. Hamilton pontuou nos oito GP da Malásia em que participou, sendo que apenas foi primeiro no ano passado. Nesta edição tem como principais concorrentes os dois alemães que o acompanharam no pódio de 2014: o colega Nico Rosberg (Mercedes) e Sebastian Vettel (Ferrari) - que também já festejou em Sepang por três ocasiões. 

As previsões meteorológicas indicam que esta corrida deve disputar-se sob chuva e trovoada (oportunidade para aferir o desempenho dos novos pneus de chuva da Pirelli), condições que levaram à interrupção da prova na edição de 2009.

Publicidade

Ainda assim, espera-se que este GP seja menos atribulado do que o da Austrália, onde apenas 15 dos 20 carros estiveram na grelha de partida, sendo que só 11 conseguiram terminar a prova. Os carros da Marussia não rodaram em Melbourne mas já devem entrar para as contas. Valtteri Bottas (Williams) também está recuperado de um problema nas costas, originado por deficiências na projecção do assento do veículo. Já a Red Bull parece ver-se livre de menos um problema, ao identificar um defeito relacionado com o sobreaquecimento do óleo, que terá levado à quebra da caixa de velocidades de Daniil Kvyat ainda no aquecimento para a primeira corrida. 

Destaque ainda para a confirmação de que não vai haver GP da Alemanha, previsto para 19 de Julho, o que não acontece desde 1960. A FIA não conseguiu chegar a acordo com os responsáveis pelas pistas de Nürburgring e Hockenheim e, apesar do esforço adicional da Mercedes para manter a prova, haverá uma pausa de três semanas entre o GP britânico (5 de Julho) e o GP da Hungria (27 Julho).

Publicidade

Não se sabe quando é que esta prova vai voltar ao calendário da F1, apesar de este ser um excelente momento para os alemães na modalidade. #Automobilismo