O presidente da Liga de #Futebol Profissional espanhola diz que #Cristiano Ronaldo deve ser castigado pelos seus gestos durante o jogo contra o Barcelona do passado fim-de-semana. "Se o Ronaldo mexe nos cataplines [calão espanhol para testículos], ou um jogador da Liga Adelante [Segunda Liga espanhola], tem de ser objecto de sanção", afirmou Javier Tebas. "Não podemos permitir que se façam esses gestos, temos de eliminá-los do futebol", acrescentou o responsável. Recorde-se que, durante o superclássico de domingo, no Camp Nou, CR7 tocou nos testículos ao mesmo tempo que olhava para o árbitro do encontro, Antonio Mateu Lahoz, perguntando-lhe se gostava.

Publicidade
Publicidade

A acção teve lugar instantes depois da jogada na qual o português viu um cartão amarelo por ter simulado uma falta do central catalão Gerard Piqué junto da grande área do Barcelona, tentando enganar o juiz de Valência. Este, ao aperceber-se da intenção do madeirense, não só não apitou a inexistente infracção como sancionou o craque do Real Madrid. Imediatamente a seguir, sem conseguir esconder a sua indignação, Ronaldo "acomodou as partes baixas" e provocou o árbitro, que não se terá apercebido deste comportamento do jogador, que lhe poderia ter valido um segundo cartão amarelo e a consequente expulsão.

A forma como o avançado merengue celebrou o seu golo, olhando e mandando acalmar o público, também foi muito criticada em Espanha, principalmente nos jornais desportivos da Catalunha.

Publicidade

No entanto, o presidente da Liga não se referiu a esse episódio, pelo que um eventual castigo, nesse caso, será menos provável.

Ronaldo não fala com Bale

Os meios catalães continuam, aliás, a sua guerra incessante contra o astro português e não se importam de bater na mesma tecla para criticar o avançado do Real. Desta vez foi o Sport que voltou a dar conta do mal-estar no balneário do Santiago Bernabéu devido à difícil relação entre as duas maiores estrelas da companhia. Diz o periódico que Cristiano Ronaldo e Gareth Bale "mal se falam" e que o "inexistente relacionamento" se deve "ao egoísmo e à rivalidade entre ambos". Uma animosidade que se reflecte no campo e que, ainda de acordo com o matutino, é "alimentada por Florentino Pérez", presidente do clube, que se "converteu no defensor acérrimo do galês", que vê como "o sucessor natural" de CR7.