João Botelho é um nome desconhecido para a generalidade dos adeptos de #Futebol em Portugal, mas a verdade é que já entrou na história do desporto rei português. O guarda-redes do Operário de Lagoa, equipa sediada nos Açores que milita no Campeonato Nacional de Seniores (CNS), está há 13 jogos sem sofrer golos. Isto significa que Botelho é já o dono da segunda melhor marca de sempre no que diz respeito à imbatibilidade dos guarda-redes nacionais, com 1175 minutos seguidos sem ir buscar a bola ao fundo das redes.

Este registo deixa o guardião açoriano, que falou com a Blasting News, a apenas 17 minutos de bater o recorde nacional absoluto, estabelecido por Vítor Baía quando fechou a baliza do FC Porto durante 1191 minutos consecutivos na temporada 92/93.

Publicidade
Publicidade

No próximo domingo, na recepção ao Benfica e Castelo Branco, "basta" que o Operário de Lagoa não sofra um golo nos primeiros 17 minutos para que o recorde de 23 anos seja quebrado. João Botelho disse à Blasting News acreditar na possibilidade de bater a marca histórica. "Tendo em conta o actual momento do grupo de trabalho e do clube, mais o facto de jogarmos em casa, eu diria que é possível bater o recorde", avança o guardião, referindo contudo que isso não é o mais importante. "O importante é na realidade a disputa pelos 3 pontos que estão em jogo na próxima jornada […] Será com certeza um bom jogo de futebol, entre duas equipas que estão num bom momento", adianta.

O guarda-redes é neste momento a face da equipa do Operário de Lagoa, conjunto orientado por André Branquinho, que venceu a Série H do CNS com uma impressionante segunda volta sem sofrer golos.

Publicidade

O clube luta agora pela subida ao segundo escalão do futebol português, ocupando o terceiro posto da tabela na Fase de Subida - Zona Sul do CNS.

Campanha cujo segredo, diz o jogador, consiste no enorme "espírito de grupo vivido no seio do clube". "Toda a gente se sente parte integrante e activa da vida diária do clube, até aqueles que têm menos minutos jogados. Todo este sentimento é depois, de alguma forma, transportado para dentro do campo, e eu penso que quem vê o Operário jogar ao vivo fica com a mesma impressão", confidencia João Botelho.

Ao lado de Baía e Bento: "Nem nos meus melhores sonhos!"

João Botelho não sofre golos desde 5 de Novembro do ano passado e já defendeu 3 grandes penalidades na presente temporada. Segundo o mesmo, esta impressionante prestação não tem segredos e deve-se ao processo defensivo de toda a equipa, que é treinado diariamente e que "tem sido executado na perfeição durante os últimos jogos".

O açoriano não esconde o orgulho de ver o seu nome junto dos de lendas do futebol português como Manuel Bento (cujo recorde já ultrapassou) e Vítor Baía.

Publicidade

"O Baía é uma referência da minha geração. Já o Bento nunca vi jogar, mas sei o grande guarda-redes que era. Ombrear com estes gigantes… nem nos meus melhores sonhos!", revela o guardião.

Produto da formação do Santa Clara, clube de onde saiu apenas em 2010 (e onde voltou na primeira metade da época 2013/2014), João Botelho chegou a ser chamado pela selecção nacional de sub-21 para o Campeonato Europeu da categoria em 2007, realizado na Holanda. Apesar de não ter somado qualquer minuto com a camisola das Quinas, Botelho partilhou o balneário com nomes como Nani, João Moutinho, Miguel Veloso, Manuel Fernandes ou Silvestre Varela.

O açoriano brilhou também na última pré-temporada, quando realizou uma exibição de luxo num jogo que opôs a selecção do arquipélago ao Sporting CP. Aos 29 anos, e na sua quarta temporada ao serviço do Operário de Lagoa, João Botelho não rejeita voos mais altos. "Qualquer jogador de futebol que se preze tem sempre a ambição de melhorar a sua corrente situação e eu não fujo a esta regra", conclui.