Ontem, pese a derrota caseira do Newcastle com o Manchester United (0-1, golo de Ashley Young), o verdadeiro vencedor da noite foi um homem dos magpies: Jónas Gutiérrez. Depois de bater um cancro testicular que lhe tinha sido diagnosticado em Maio de 2014, e que o levou a interromper a prática do #Futebol profissional durante quase um ano, o internacional argentino voltou a jogar oficialmente. Gutiérrez não foi protagonista de nenhuma acção especialmente decisiva durante o jogo, mas foi ele a receber ovação da noite no St. James's Park e a tornar-se na verdadeira figura da partida.

Aos 65 minutos do jogo de ontem, o jogador de 31 anos entrou para o lugar de Ryan Taylor, naquele que foi o melhor momento de uma partida que mostrou, novamente, que o futebol é muito mais do que 22 pessoas a correr atrás de uma bola.

Publicidade
Publicidade

Os adeptos receberam-no calorosamente e, sem excepção, todos se levantaram para aplaudir o regresso. O capitão de equipa, Fabricio Coloccini, entregou-lhe imediatamente a braçadeira.

O Manchester United acabaria por garantir a vitória perto do final, mas este é um desaire que Gutiérrez não vai esquecer. "Vou lembrar-me desta recepção até ao final da minha vida", disse o jogador à BBC Sports. A última aparição oficial do jogador tinha sido em Maio do ano passado, quando esteve emprestado ao Norwich. Nessa altura Gutiérrez já havia sido diagnosticado, embora só tenha tornado a doença pública em Setembro. O argentino voltou ao Newcastle no mercado de inverno, começando a trabalhar com a equipa de reservas depois de estar confirmado que se encontrava completamente curado do cancro.

"Todo o apoio que recebi, de tantos clubes à volta do mundo… Ajudou-me muito a continuar a lutar e mostrou que os adeptos se podem unir em torno de algo, independentemente da camisola que vestem", confidenciou o argentino à televisão do clube.

Publicidade

Futebolistas que venceram o cancro

Jónas Gutiérrez junta-se a uma série de nomes de jogadores que saíram vencedores dos jogos mais importantes das suas vidas - todos eles tendo o cancro como adversário - sem terem de abdicar das suas carreiras de futebolista.

O caso que estará mais fresco na memória dos adeptos é eventualmente o de Éric Abidal, internacional francês que em 2011 começou a lutar contra um cancro no fígado, numa altura em que servia o FC Barcelona. Arjen Robben, o actual melhor marcador da Bundesliga e unanimemente um dos melhores jogadores do mundo, ultrapassou em segredo um cancro testicular que o atingiu em 2002. No mesmo dia em que anunciou a doença, revelou-se também curado da mesma.

Futebolistas como Germán Burgos, José Manuel Molina, Ebbe Sand e Lubo Penev, entre outros, também tiveram a felicidade de vencer uma doença que cada vez rouba mais vidas e a que nem os desportistas de alta competição parecem conseguir fugir.