Tudo aconteceu esta segunda-feira, 16 de março, durante um treino de pré-época na pista de Lausitzring, na Alemanha. Mick Schumacher é piloto de Fórmula 4, da equipa holandesa Van Amersfoort, onde aos 15 anos começa a ser um nome cada vez mais a ter em conta na categoria. As corridas a alta velocidade e seguir os passos pai são os objetivos do jovem de 15 anos que, apesar da curta carreira, não se livrou do primeiro grande susto.

O acidente aconteceu quando o carro de Mick seguia a 160 km/h. Contingências da modalidade, às quais nenhum piloto está imune. Mesmo assim, e dado que o acidente foi apenas aparato, o filho de Schumacher não teve nenhum ferimento grave e encontra-se estável.

Publicidade
Publicidade

Nem mesmo a violência do embate o fez pensar duas vezes, Mick já garantiu, através das redes sociais, que "estas situações fazem parte e que não vai desistir de ser piloto".

O acidente fez de novo soar o alarme na família Schumacher ainda não recomposta da queda do ex-piloto de Fórmula 1 nos Alpes Franceses, em Dezembro de 2013. Schumacher, de 44 anos, esteve em coma mais de um ano, depois de ter batido com a cabeça numa pedra enquanto esquiava.

O director da estância de esqui revelou na altura que Schumacher caiu ao final da manhã do dia 29 de dezembro, quando esquiava "fora da pista de Méribel". O local do acidente casou muita polémica sobretudo para se conseguir apurar responsabilidades: se da instância de esqui, que deveria assumir as despesas de saúde do ex-piloto ou, pelo contrário, a culpa seria de Schumacher que terá desobedecido às indicações e foi esquiar para um local assinalado como sendo proibido.

Publicidade

À parte de responsabilidades, família, amigos e fãs fizeram vigílias pelo ex-piloto em frente ao Hospital de Grenoble, em França. O estado de saúde de Schumacher foi sendo revelado aos poucos e sem muitos pormenores. Assim que saiu do coma, o hepta campeão do mundo foi transferido para o Hospital Universitário de Lausanne, na Suíça, o que terá obrigado a família a vender parte dos bens para financiar os tratamentos. Por incrível que pareça, este foi o primeiro grande acidente da vida de Schumacher e nada teve a ver com a sua grande paixão: a Fórmula 1.