Giampetro Manenti, novo presidente e dono do Parma, foi detido, na manhã desta terça-feira, pela polícia italiana. Acusado de participação em crimes financeiros, crimes de peculato, fraude informática, uso de cartões de multibanco clonados e lavagem de dinheiro, foi detido com outras 21 pessoas, na sequência de mais de 60 buscas, levadas a cabo pela guarda fiscal. O promotor Michele Prestipino Giarritta explicou que Manenti terá participado num esquema, em que uma organização, com hackers, clonou cartões de multibanco e tentariam transferir 4,5 milhões de euros. O presidente do Parma era uma das partes mais influentes da organização, uma vez que era ele que faria a "lavagem de dinheiro".

Publicidade
Publicidade

Manenti justificaria a entrada da verba monetária, como se esta derivasse de patrocínios destinados ao clube. A fraude foi descoberta antes de concretizada, ou seja, o Parma não recebeu quaisquer transferências monetárias.

Este escândalo agrava mais ainda a crise do Parma, onde jogam os portugueses Silvestre Varela e Pedro Mendes, equipa que já perdeu três pontos no campeonato italiano, por salários em atraso. Aliás, as dívidas do clube arrastam-se desde Julho de 2014. Giampetro Manenti assumiu a liderança do Parma há pouco mais de um mês, após comprar a mítica equipa transalpina pelo preço simbólico de um euro, num negócio com o antigo presidente Tommaso Ghirardi (suspenso pela Liga italiana por quatros meses).

Quando adquiriu o clube, Manenti prometeu uma injeção de capital no clube, mas tal situação nunca veio a suceder.

Publicidade

Aliás, a crise financeira do clube apenas se tem agravado nas últimas semanas. Depois de adiados dois encontros, a equipa voltou à competição, por "caridade" dos restantes clubes da Serie A Italiana, que contribuíram financeiramente para que o Parma pudesse pagar as despesas básicas e voltar a jogar.

A imprensa italiana especula que o "buraco" financeiro do Parma oscile entre os 40 e os 50 milhões de euros. E o fim da linha do Parma poderá ser já nesta quinta feira. Está agendada uma reunião decisiva e a Liga Italiana poderá decretar o estado de falência do clube. A concretizar-se, o Parma será automaticamente afastado da Série A e não concluirá a época. Sem receberem há meses, os jogadores são os principais lesados desta triste história. O capitão da equipa, Alessandro Lucarelli, considerou este escândalo com o presidente "repugnante" e exige um desfecho rápido para a crise: "Espero que cedo ou tarde, isto acabe tudo, porque, sinceramente, já não aguentamos mais. #Crime