Foi positivo o resultado final da Assembleia de Credores do Beira-Mar, que decorreu esta quinta-feira de manhã em Anadia. Reunidos para discutir o futuro do clube, os credores deram luz verde à direcção aveirense para ser criado um plano que vise a recuperação financeira. Com um passivo de quase 4 milhões de euros e com o clube declarado insolvente desde Janeiro, foram dados 30 dias para a apresentação do projecto que pode ditar o futuro do emblema da Segunda Liga.

Numa decisão que já era esperada, visto que actualmente o Beira-Mar não tem património próprio que fosse utilizado para pagar aos credores os valores em falta, foi aprovada por larga maioria a criação de um plano que está já estruturado para que em breve seja posto em prática.

Publicidade
Publicidade

De referir que os quase 4 milhões de euros de passivo são referentes ao clube, sendo que os maiores credores são a Câmara Municipal de Aveiro, a Federação Portuguesa de #Futebol, dois clubes da liga (Vitória de Guimarães e Marítimo) e ainda alguns ex-dirigentes do emblema aveirense.

Actualmente a competir na Segunda Liga portuguesa e longe dos tempos em que era um dos adversários mais competitivos dentro do seu recinto (Estádio Mário Duarte), o Beira-Mar tem vivido nos últimos anos num constante sobe e desce. A entrada na SAD de Majid Pishyar foi apenas o início do pesadelo aveirense. Com as naturais promessas de investimento e de uma aposta séria no futebol do Beira-Mar, a política do iraniano cedo caiu por terra, levando o Beira-Mar atrás. Com constantes casos de ordenados em atraso e com fracas receitas, o emblema de Aveiro foi, de forma natural, perdendo equilíbrio, acabando por cair no segundo escalão do futebol nacional.

Publicidade

As dificuldades financeiras repercutiram-se nos resultados desportivos e no vaivém de jogadores que chegavam e iam embora.

Actualmente liderado pelo italiano Omar Scafuro, que também é tudo menos uma figura consensual em Aveiro, o Beira-Mar tem ainda com Kal Baiano (Director do Futebol Profissional), uma parceria que tem servido para alimentar o plantel com vários jogadores oriundos do Brasil. Actualmente tem 12 atletas canarinhos; muitos foram os que chegaram e já foram embora (8, todos brasileiros) mas, uma vez mais, foram os ordenados em atraso que provocaram uma verdadeira razia no plantel do clube, levando à saída de muitos futebolistas.

Agora com o balão de oxigénio "concedido" pelos credores, o Beira-Mar tem 30 dias para apresentar um plano de reestruturação da dívida, que terá depois de ser aprovado por quem tem dinheiro a receber. A actual direcção, liderada por António Cruz, já disse mais do que uma vez que acredita que a sustentabilidade financeira do clube é viável, e que há reais hipóteses deste emblema centenário manter as portas abertas, pagar aos credores e ainda voltar aos sucessos desportivos que tiveram o seu ponto mais alto quando conquistou a Taça de Portugal em 1999.