Foi um clássico com direito a tudo: bom #Futebol, emoção e até adeptos, muitos adeptos, no Estádio do Fontelo. Num duelo entre equipas das Beiras, Académico de Viseu e Sporting da Covilhã proporcionaram um grande espectáculo de futebol. No fim quem fez a festa foram os Leões da Serra que foram, acima de tudo, mais eficazes. Os Academistas só se podem queixar de si próprios pelas oportunidades perdidas. Um penálti e outras ocasiões na cara do guarda-redes verde-e-branco prejudicaram o lado dos viseenses.

O ambiente era claramente de jogo grande, em que podiam sair decisões importantes na luta pela subida de divisão. Conscientes disso mesmo foram, muitos os adeptos do Sporting da Covilhã que se deslocaram esta tarde ao Estádio do Fontelo, em Viseu.

Publicidade
Publicidade

No entanto, o Académico entrou muito melhor na partida e quis mostrar desde cedo que em casa são os Viriatos que mandam. Apesar de muitos desfalcados, com 9 jogadores de fora, entre lesões e castigos, os pupilos de Ricardo Chéu entraram a todo o gás e desperdiçaram logo aos 5 minutos a primeira grande oportunidade de golo por intermédio de Clayton Leite que não deu a melhor resposta de cabeça a um cruzamento de Ricardo Ferreira.

Sem um ponta-de-lança fixo e com André Sousa como 6, o Académico de Viseu mostrava que queria pôr fim à fase de duas derrotas seguidas com pressing alto e rápidas trocas posicionais do trio da frente composto por Luisinho, Tiago Almeida e Tiago Borges. No entanto, a primeira grande oportunidade de golo apareceu aos 10 minutos e para o lado do Sporting da Covilhã, com Traquina a acertar em cheio no ângulo superior direito da baliza de Ivo Gonçalves.

Publicidade

Pensava-se que seria o primeiro sinal da reacção dos homens da Serra mas não, o Académico voltou a tomar conta do jogo e voltou a falhar na hora da concretização. A primeira grande ocasião teve Luisinho como protagonista, que depois de passar por Taborda não teve ângulo para finalizar, tendo ainda, na sequência do mesmo lance, Clayton Leite obrigado o guardião dos verde e brancos a uma boa defesa.

A segunda grande oportunidade aconteceu aos 38 minutos e novamente com os mesmos protagonistas. Olegário Benquerença assinalou mão na bola dentro da área do Sporting da Covilhã, mas da marca dos 11 metros, desta feita o Mágico academista não conseguiu converter o castigo máximo permitindo uma grande intervenção a Taborda, que ainda contou com a ajuda do poste direito. Nem de penálti o Académico conseguia marcar. O jogo iria mesmo empatado a zero, num resultado claramente mau para os da casa que tiveram mais vezes perto de fazer golos.

A segunda parte trouxe um Sporting da Covilhã mais "mandão" e com mais bola, facto que foi desgastando o meio campo dos homens de Viseu.

Publicidade

A superioridade serrana quase foi recompensada aos 66 minutos, quando Erivelto cabeceou ao poste da baliza de Ivo Gonçalves. No entanto, Francisco Chaló "partiu" a sua equipa na procura pela vitória e o Académico quase aproveitou com rápidos contra-ataques, mas o cansaço pesou, e muito, na hora de decisão. O momento do jogo surgiu aos 84 minutos, quando numa rápida transição, o lateral Tiago Moreira apareceu do lado esquerdo (contrário ao que joga), correu 20 metros, desmarcou Traquina que serviu em bandeja de ouro Kizito, que em posição duvidosa fez o 0-1. Na segunda vez que tocou na bola, o avançado facturou. Pouco tempo depois, Olegário Benquerença dava por finalizado o jogo, com a festa a explodir no Fontelo mas com as cores do Sporting da Covilhã. #Segunda Liga