Bruno de Carvalho vai deixar de usar as redes sociais para dar a conhecer o seu "estado de alma". Utilizador habitual do Facebook, no qual tem uma conta oficial como presidente do #Sporting Clube de Portugal, o líder do clube de Alvalade vai assim abandonar uma das "imagens de marca" do seu mandato. Numa decisão que visa, acima de tudo proteger a sua família, o líder máximo dos verde e brancos promete no entanto continuar activo no dia-a-dia, tanto do Sporting como do #Futebol nacional.

Foram várias as vezes que Bruno de Carvalho utilizou as redes sociais para dar a conhecer as suas opiniões. Umas vezes elogiosas, outras nem por isso, como aconteceu num célebre fim-de-semana que terminou com duas pesadas derrotas dos leões, tanto na equipa principal como na B (Vitória Guimarães 3-0 Sporting; Atlético 5-0 Sporting B); nessa altura o presidente leonino escreveu que ambas as formações não teriam sido dignas do emblema verde e branco: "Ao nível do futebol sénior este fim-de-semana jamais poderá ser esquecido.

Publicidade
Publicidade

Quer a equipa principal quer a equipa B brindaram os sportinguistas com péssimas exibições que não dignificaram o nosso Clube e a nossa camisola", pode ler-se numa publicação datada de 2 de Novembro. Numa declaração que não caiu bem na estrutura do Sporting, a resposta foi dada pelo mesmo meio, com Nani, um dos elementos com mais peso no plantel a escrever "quem não sabe perder, também não sabe ganhar", numa clara réplica às críticas do seu líder.

As constantes publicações de Bruno de Carvalho atingiram também o técnico Marco Silva, que chegou a estar com os dois pés fora de Alvalade, também na sequência de comentários do seu presidente. Também as relações com o Benfica foram comentadas e expostas pelo líder verde-e-branco, bem como o recente vídeo da Sagres que satirizou um erro de Rui Patrício frente ao Belenenses e que mereceu igual destaque no Facebook do presidente leonino.

Publicidade

Agora Bruno de Carvalho vai "abandonar" a sua conta oficial naquela rede social, deixando um vazio no futebol português que já estava habituado ao seu modus-operandi.