Apesar de ter um dos orçamentos mais baixos da #Segunda Liga Portuguesa, o Sporting da Covilhã vai abordar o último terço do exigente campeonato com legítimas aspirações de se intrometer na luta pela subida ao escalão principal do #Futebol nacional. A equipa treinada pelo competente Francisco Chaló, o único técnico que já trabalhou em todas as divisões do futebol português, partilha atualmente o quarto posto da Segunda Liga com as equipas secundárias de Sporting e Benfica a apenas cinco pontos do Tondela, onde foi empatar a semana passada, e a seis do Desportivo de Chaves, que ocupam os lugares de subida.

O Sporting da Covilhã tem feito do Estádio José Santos Pinto, onde o clube viveu alguns dos melhores momentos da sua história, uma autêntica fortaleza, mostrando que os seus associados estavam certos quando votaram favoravelmente a possibilidade de voltarem a jogar na zona mais alta da cidade em detrimento do Complexo Desportivo.

Publicidade
Publicidade

O notável desempenho da formação serrana surge alicerçado numa estratégia que tem vindo a dar os seus frutos ao longo dos tempos e que passa por se reforçar com atletas vindos de escalões inferiores e de estrangeiros desconhecidos que encontram no clube da Serra da Estrela uma porta de entrada nos campeonatos profissionais.

A par de uma solidez defensiva assinalável, onde se destaca a solidez do veterano Taborda na baliza, outros dos segredos da equipa são os seus extremos bastantes talentosos como são os casos de Traquina, vindo do Sertanense, ou de Bilel Aouacheria, de apenas 20 anos. O jovem francês vindo da equipa B do Saint-Étienne cumpriu um período de experiência na pré-época e tem vindo a demonstrar valor para outros voos como atestam os seus nove golos, quatro dos quais apontados nos últimos três jogos.

Publicidade

Outros jogadores em foco têm sido o ugandês Kizito, com 10 golos, ou o ponta-de-lança brasileiro Erivelto, melhor marcador da equipa com 13 golos. Outra situação digna de realce tem sido a maior paciência demonstrada pelo presidente José Mendes quando a equipa atravessa momentos menos positivos. No clube há mais de uma década, o dirigente nunca manteve um técnico durante tanto tempo como tem sucedido com Francisco Chaló, o seu 15º treinador.

Com uma situação financeira estável e controlada, o clube faz do rigor orçamental uma das suas bandeiras e tem conseguido atrair alguns atletas que hoje brilham em equipas do futebol nacional e até internacional. Só na última década passaram pelo clube jogadores como João Real (Académica), Rui Miguel (Rapid de Bucareste), Nuno Coelho (Arouca), Tarantini (Rio Ave) Bura (Penafiel), Jorge Monteiro (AEK Larnaca), Steven Vitória (Philadelphia Union), Fábio Ervões (Boavista), Pizzi (Benfica), Josué (Bursaspor), Ivo Pinto (Dinamo Zagreb), Jason Davidson (West Bromwich Albion), Abdoulaye Ba (Rayo Vallecano), Gegé (Marítimo), Gui (Vitória de Guimarães), Fofana (Omonia Nicósia), Dani Coelho (Penafiel), Aníbal Capela (Académica), Idris (Boavista), Alireza Haghighi (Penafiel) e Alex Kakuba (Estoril).

Publicidade

Um lote que, caso continuasse no clube, chegaria certamente para o clube fazer campanhas tranquilas na Primeira Liga e até, quem sabe, sonhar com as competições europeias.