Em entrevista ao Diário económico, Vítor Baía deixa em aberto a possibilidade de entrar no mundo da política, e até mesmo candidatar-se a presidente da câmara do Porto. Confessa que está descontente com o que vê, revoltando-se muitas vezes, o que o leva a interessar-se mais pelo mundo da política. Se concorrer será longe de esquemas partidários, e irá constituir um partido independente ou um movimento de cidadãos. Não adiantando muito sobre os projectos para um futuro entre postes políticos, o ex-guarda-redes do FC Porto e Barcelona afirma que uma carreira política já esteve "mais longe".

Em entrevista, Vítor Baía foi ainda questionado sobre o governo actual, onde evitou tecer criticas a Passos Coelho, afirmando que em certa medida tem de o compreender.

Publicidade
Publicidade

Sobre os polémicos atrasos do Primeiro-ministro no que diz respeito aos pagamentos à Segurança Social, o ex-internacional português recusou-se a tecer comentários por considerar que não dispõe dos elementos necessários para formar uma opinião. Além disso, Baía chamou à atenção para o facto de a crise que se vive em Portugal ser também da responsabilidade dos portugueses, embora exista um conjunto de factores que levam a que esta situação exista, como o caso do poder político e económico.

Na mesma entrevista, o antigo jogador fala ainda da usa fundação, dos investimentos no ramo imobiliário e no novo projecto em que está envolvido, que diz respeito à área dos diamantes. Comentou ainda a experiencia como comentador na TVI, onde afirma existir um excelente grupo de trabalho, salientando a qualidade e o profissionalismo.

Publicidade

Enquanto colunista no jornal Record, o trabalho exige-lhe maior concentração e atenção aos pormenores.

Na publicação, presta ainda apoio a Luís Figo, que se candidatou a presidente da FIFA, afirmando que o colega tem qualidade para o lugar. Comenta ainda casos antigos, como o facto de Scolari não o ter chamado à selecção, ou as discussões que teve com Mourinho e Van Gaal. A nível pessoal, conta que o pai não queria que ele abandonasse os estudos para seguir uma carreira no #Futebol, pois queria que ele se formasse, assim como a irmã. Por esse motivo, quando terminou a carreira de jogador, fez a licenciatura em Gestão Desportiva, e fez questão de entregar o diploma ao pai - em forma de homenagem - dizendo: "Agora já tens dois filhos formados".