Déjá vu. Foi o que ontem aconteceu no Stamdford Bridge em Londres. Depois de ter sido tema de conversa durante a semana, o estado físico do Hispano-brasileiro Diego Costa voltou a dar que falar. Apesar de José Mourinho ter garantido que o avançado estava recuperado dos problemas que impediram a sua utilização na Selecção espanhola, o goleador foi lançado no jogo deste sábado mas 10 minutos depois teve de sair, agarrado à perna. Novamente lesionado, o antigo jogador do Atlético Madrid vai ter de parar pelo menos duas semanas.

Corria o minuto 57 quando o alerta voltou a soar nos Blues. Em campo desde o reatamento da segunda parte, Diego Costa recebeu um passe comprido, mas ao tentar arrancar, sentiu uma picada na perna esquerda, pedindo de imediato a substituição.

Publicidade
Publicidade

Com 1-1 no marcador, José Mourinho via a vida a andar para trás. O caso ganha outros contornos, principalmente porque o treinador luso tinha garantido que o avançado espanhol estava recuperado: "Diego não está lesionado e pode jogar". No entanto, tudo correu ao contrário e Diego Costa vai ficar agora, pelo menos, dois meses no "estaleiro". Na conferência de imprensa após o jogo, que acabou com o triunfo do Chelsea sobre o Stoke City por 2-1, Mou não escondeu o mal-estar pela nova lesão: "Fizemos todos os exames para perceber em que ponto estava a lesão. Cientificamente o músculo estava bem, Diego também se sentia bem e por isso lancei-o", disse com cara de poucos amigos.

Mourinho descontente criticou departamento médico 

Nada contente com a nova recaída de Diego Costa, José Mourinho não deixou de criticar abertamente o departamento do Chelsea: "Se me tivessem dito que ele [Diego Costa] ia precisar de 4 semanas para recuperar, então não tinha arriscado. Agora o #Futebol é feito de riscos, se tinham dito que seriam duas semanas e já estava recuperado, acabei por decidir recuperar", declarou no tom crítico para o corpo médico dos Blues.

Já sobre a falta que fará Diego Costa, o técnico português preferiu não falar em demasia no assunto, sublinhado só que conta com Didier Drogba e Loic Remy.

Publicidade

O avançado espanhol vai falhar quase de certeza os clássicos com Manchester United (18 de Abril) e com o Arsenal (26 de Abril).