Cristiano Ronaldo voltou a ser decisivo no Real Madrid, desta vez ao marcar e assistir para o golo de James Rodríguez, na vitória por 2-0, diante o Rayo Vallecano, a contar para a I Liga de Espanha. O internacional português, continua, no entanto, a coleccionar gestos polémicos diante das equipas de arbitragem, tendo feito sinal de roubo, em direcção do árbitro auxiliar, depois do golo concretizado em Vallecas, equivalente ao 300º remate certeiro nos "blancos". Antes, não tinha gostado de ser acusado de simular uma grande penalidade, nem de ver o respectivo cartão amarelo.

Há duas semanas, na derrota frente ao Barcelona por 2-1, mexeu nos testículos e dirigiu palavras ao árbitro, perguntando-lhe se gostava dos seus genitais, conforme se constata num vídeo.

Publicidade
Publicidade

O português foi bastante criticado, inclusive por Javier Tebas, presidente da Liga Espanhola de #Futebol: "Não podemos permitir que se façam esses gestos, é preciso eliminá-los do futebol", referiu o dirigente.

A reacção de Cristiano Ronaldo, naturalmente ampliada por ser uma superestrela, também aconteceu depois de ter visto um cartão amarelo, devido a alegada simulação de uma grande penalidade. O goleador está longe de ser indisciplinado, mas, antes destes casos mais recentes, protagonizou outros gestos polémicos, o que, por vezes, acontece quando é insultado pelos adeptos ou maltratado pelos adversários. Na vitória por 3-0 diante do Athletic Bilbao, que coroou o título de campeão de Espanha, em 2012, fez um manguito, como se fosse o Zé Povinho - personagem histórica de Rafael Bordalo Pinheiro - perante Javi Martinez, jogador do Bayern Munique que, naquela temporada, representava os bascos.

Publicidade

Má reacção no Estádio da Luz

Ronaldo já era um craque, em 2005, como jogador do Manchester United, mas ainda sem a dimensão que atingiu mais tarde nos "red devils" e agora no Real Madrid. Num encontro em que o Benfica venceu por 2-1, CR7 não gostou do comportamento dos adeptos, que o viam como jogador que tinha sido do Sporting há pouco tempo, e mostrou-lhes o dedo do meio da mão direita.