Segundo jogo, segunda derrota de Portugal frente à República Checa. A Selecção Nacional Feminina voltou a não ser feliz frente ao combinado da Europa Central e saiu de Viseu prostrada a uma pesada derrota por 0-4. Num desaire fácil de explicar, a diferença esteve acima de tudo nas faltas de concentração da turma das Quinas que foram bem aproveitadas pelas checas, que chegaram ao intervalo a vencer por três golos. O factor físico voltou a pesar, mas o psicológico afectou a organização dentro das quatro linhas. Apesar da dupla derrota, Francisco Neto retirou pontos positivos destes confrontos.

Depois de um dia de descanso, foi a vez do Estádio do Fontelo receber novo encontro entre portuguesas e checas.

Publicidade
Publicidade

Com seis alterações na equipa principal, relativamente à derrota por 0-1 em Mangualde, Portugal começou, ao contrário de terça-feira, o jogo com o pé esquerdo, sofrendo o primeiro golo logo aos 4 minutos. Na sequência de um canto do lado esquerdo, Neide Simões ainda defendeu o remate à queima-roupa de Lucie Vonková, mas a guardiã lusa foi incapaz de deter a recarga de Martínková. Estava inaugurado o marcador no Municipal de Viseu. Sentiu e de que maneira o golo a turma das Quinas. Sem conseguir ligar o meio-campo com o ataque, onde se notou, e muito, a falta de Jéssica Silva, Portugal voltou a sofrer novo golo à passagem do minuto 10. Numa altura que jogava com menos uma unidade por lesão de Filipa Rodrigues que estava a ser assistida fora das quatro linhas e na sequência de um atraso de Matilde Fidalgo que saiu curto, Martínková interceptou o esférico e na cara de Neide Simões, ampliou sem dificuldades para 0-2.

Publicidade

Começava a complicar-se a vida das lusas que, no entanto, souberam reagir e quase lograram marcar. Primeiro por Ana Borges, que muito bem servida por Carolina Mendes, obrigou a guarda-redes checa a defesa apertada, e depois por Stefanie da Eira que aos 15 minutos quase fez explodir de alegria o Fontelo, com um potente remate de meia distância que acertou em cheio na barra da baliza de Alexandra Vanicková. Com as checas claramente a baixarem a intensidade do encontro, as portuguesas tinham mais bola somando bons lances no meio campo adversário mas, uma vez mais, numa rápida transição ofensiva, Lucie Martínková correu 20 metros isolada e novamente na cara de Neide Simões fez o 0-3.

No segundo tempo e já com Jéssica Silva em campo, Portugal tentou a todo o custo reduzir a desvantagem no marcador, mas a tarde era claramente de acerto no ataque da República Checa que ampliou a contenda aos 76 minutos, com Jana Sedlácková a desviar de calcanhar para dentro da baliza lusa um livre da esquerda.

Publicidade

A equipa das Quinas ainda teve uma derradeira oportunidade de fazer o golo de honra aos 82', mas Carole falhou à boca da baliza um livre batido na direita por Regina Pereira. Pouco tempo depois Sandra Bastos dava por terminado o encontro.

Num balanço onde saltam à vista as duas derrotas frente a uma selecção superior, quer ao nível táctico como físico, Francisco Neto não escondeu a sua insatisfação pelo resultado, admitindo que recolheu dados para serem corrigidos em próximos jogos. Portugal, apesar da derrota por números pesados, voltou hoje apenas a espaços, a mostrar bom #Futebol, com qualidade de passe. No entanto, as desatenções e hesitações na defesa foram fatais e na frente faltou durante 45 minutos a estrela da companhia, Jéssica Silva. Em Agosto, Portugal volta a reunir as "tropas" com vista ao apuramento para o Euro'2017 que arranca em Setembro.