Desde 2004 que o futsal leva Joel Queirós para longe de casa, mas nunca antes o internacional português esteve tão distante da sua cidade natal, o Porto. Aos 32 anos, e depois de cinco temporadas ao serviço do Benfica, o pivô levou, esta época, o seu instinto goleador para a Rússia, mais concretamente para a cidade de Syktyvkar, casa do Novaya Generatsiya (ou Nova Geração). E até agora, conta o jogador à Blasting News, esta experiência tem sido muito positiva.

Mas como foi Joel parar ao leste da Europa? "O Benfica não quis renovar e tive que seguir o meu caminho. Surgiu a proposta da Nova Geração e não hesitei, até porque sempre quis experimentar o futsal russo", conta o goleador, que em Julho assinou um contrato válido por duas temporadas com a equipa fundada em 2006 e que no ano passado alcançou o 4.º lugar.

Publicidade
Publicidade

E qual o balanço da época até agora? "Tanto a nível individual como colectivo, posso dizer que está a correr bem", revela Joel, que é o melhor marcador da equipa, com 29 golos (6 deles na Taça). A primeira volta não foi a melhor para o conjunto russo, onde também militam os portugueses Marinho e Nuno Côco, mas a entrada de um novo técnico alterou a situação. "Aqui há o hábito de utilizar dois quartetos fixos ao longo do jogo. O novo treinador fez um quarteto com os três portugueses e um dos russos que é um excelente defensor. Isso deu estabilidade à equipa, estamos a fazer uma boa segunda volta, em 7.º lugar e dentro dos lugares de acesso ao playoff ", conta.

Depois de se mostrar ao mundo do futsal no Freixieiro, Joel mudou-se para Espanha, onde passou meia década entre El Pozo Murcia e Navarra.

Publicidade

Seguiram-se mais cinco anos em Lisboa com o Benfica, pelo que o hábito de estar longe de casa acabou por facilitar a adaptação de Joel ao país e à sociedade russa. "Tenho saudades da família, dos amigos e da comida, mas já são 11 anos fora de casa, já me habituei", confessa Joel. "Ao frio já me habituei e quanto à língua temos connosco um tradutor, portanto fica mais fácil", diz.

Uma vez que até agora tudo corre pela positiva, Joel não pensa, para já, em regressar a Portugal. Com um mais um ano de contrato com o Nova Geração, o jogador diz que a vontade é "continuar" pela Rússia.

Trabalha para estar na selecção

Com 139 presenças acumuladas desde a estreia, em 2002, Joel é o jogador no activo que mais golos soma com a camisola da selecção nacional (106). O pivô ficou fora das opções de Jorge Braz para a recente fase principal de apuramento para o Euro2016 (onde considera que "o grupo deu uma boa resposta"), mas continua "a trabalhar para merecer a confiança do seleccionador" e estar presente na fase final.

Publicidade

Benfica é favorito em Portugal e Sporting pode ser campeão europeu

Mesmo a milhares de quilómetros, Joel Queirós não deixa de acompanhar o campeonato português. Apesar de lembrar que o que se passou até agora nada decide no playoff, o pivô diz que o Benfica justificou o 1.º lugar conquistado na fase regular e aponta a ex-equipa como favorita a ser campeã nacional. O futsalista realçou as excelentes prestações do SC Braga e do Burinhosa, deixando sinais de tristeza em relação à despromoção do Unidos Pinheirense (onde tem "muitos amigos").

Quanto ao Sporting, que em breve joga em "casa" (na MEO Arena) a Final Four da Uefa Futsal Cup - um cenário muito parecido ao que Joel encontrou quando se sagrou campeão europeu pelo Benfica em 2009/2010 -, diz que o título europeu é possível, embora não atribua o favoritismo aos leões.