Quando Jonas Gonçalves saiu do Valência rumo a Lisboa para assinar pelo Sport Lisboa e #Benfica, já a época havia começado, tendo o brasileiro ficado na sombra de Talisca e sobretudo dos jogos europeus dos encarnados. Com a eliminação prematura das competições europeias, e com o aumentar de ritmo competitivo, Jonas começou o início daquela que parece ser a melhor fase da sua carreira de avançado, estando agora com uma impressionante marca de 22 golos em 27 jogos, o que dá 0.81% de aproveitamento, mais 5% que o principal opositor, Jackson Martinez. Se normalmente este tipo de contratações demora a convencer, Jonas chegou com toda a confiança, não dando tempo para críticas dos adeptos mais melindrosos, pois nos dois primeiros jogos de águia ao peito, o brasileiro marcou 4 golos, incluindo um hat-trick ao Covilhã para a Taça de Portugal.

Publicidade
Publicidade

Três jogos volvidos, e já com um golo que deu a vitória contra o Nacional, o brasileiro marcou dois golos ao Moreirense, ainda o jogo contava com 7 minutos no marcador, mostrando que não precisa de muito tempo para resolver jogos no Benfica.

Mas a carreira de Jonas nem sempre foi um mar de rosas. Embora amado por muitos adeptos do Grémio, que lhe chamavam "Mestre", e onde passou 5 épocas, houve alturas em que os adeptos perderam a paciência com o jogador, assobiando-o de forma constante quando tinha a bola. Isto fez com que Jonas perdesse uma vez a cabeça, fazendo gestos de protesto para com a claque do seu clube, depois de ter marcado um golo. Um grito de revolta já habitual por entre os jogadores assobiados quando marcam, mas a revolta de Jonas seria ainda maior.

Publicidade

Pouco tempo depois desse episódio, o Grémio jogou (e venceu) um encontro para a Copa dos Libertadores, onde Jonas demonstrou uma prestação desastrada, acabando por falhar oportunidades de golo de forma displicente. Essa exibição fez com que o jornal espanhol "Mundo Deportivo" o catalogasse como "pior avançado do mundo".

Terá sido a pior fase da carreira de Jonas, em 2011, mas nem esse tratamento por parte da imprensa espanhola fez demover o Valência, que o acompanhava e conhecia as suas qualidades. Em Espanha passou um pouco despercebido por entre os adeptos, que acabaram por sentir mais falta dele depois da saída, embora tivesse jogado com regularidade e conquistado um curto espaço na seleção brasileira.

Neste momento, e com 7 golos nos últimos 6 jogos, Jonas já não é o pior avançado do mundo, e até já ganhou uma alcunha por entre os adeptos do Benfica, que a repetem na televisão, nos cafés e nas redes sociais, tendo direito inclusive a variadíssimas montagens, e até a uma página de Facebook. A alcunha? Pistolas... Jonas Pistolas. #Futebol