É o regresso do atleta olímpico mais medalhado de sempre. Michael Phelps está de volta à competição depois de ter sido apanhado a conduzir bêbado acusando taxas muito altas de álcool no sangue. Depois de ter visto a sua participação nos Mundiais de Kazan vetada pela Federação de natação dos Estados Unidos, o bom comportamento do atleta que cumpriu, entre outras coisas, um programa de reabilitação durante seis semanas num hospital, pesaram a favor de Phelps. A Bala de Baltimore vai voltar a entrar numa piscina no Arena Series de Mesa, no Arizona.

Este é mesmo o segundo regresso à competição de Michael Phelps, visto que o norte-americano anunciou o adeus à competição após os Jogos Olímpicos de Londres em 2012.

Publicidade
Publicidade

No entanto, em Abril de 2014 voltou atrás na decisão e comunicou que iria regressar com o intuito de marcar presença nos Jogos do Rio, em 2016, mas o álcool traiu-o. Em Setembro do ano passado, Phelps foi apanhado a conduzir embriagado, tendo acusado nas análises elevados níveis de álcool no sangue. Além da suspensão de toda a prática desportiva durante seis meses, o nadador norte-americano foi ainda condenado a uma pena 18 meses de prisão com liberdade condicional supervisionada. Neste período, o mais medalhado de sempre cumpriu um rigoroso programa de reabilitação num hospital, num tratamento que teve uma duração de seis semanas.

Agora com luz verde para regressar à competição e com autorização da federação norte-americana para representar os Estados Unidos nos Campeonatos do Mundo de Kazan que se vão realizar de 24 de Julho a 9 de Agosto naquela cidade russa, o super atleta vai competir em cinco provas Arena Series, a saber nos 100 metros livres, 200 metros estilos, 100 metros mariposa, 400 metros livres e ainda nos 100 metros costas.

Publicidade

Mais medalhado de sempre quer voltar para se despedir no Rio de Janeiro

Com 19 medalhas olímpicas, Michael Phelps é de longe o atleta mais medalhado da história. Essa marca foi atingida em 2012 quando ultrapassou, a até então detentora do recorde, a ginasta russa Larissa Latynina. Após o adeus nos Jogos de Londres, a Bala de Baltimore recuou nessa decisão com o propósito de ser no Rio de Janeiro o local das suas últimas braçadas. Ultrapassados que estão todos estes contratempos, eis que Phelps está de volta e promete arrasar a concorrência.