A época começou há pouco tempo, mas há quem queira antecipar a "silly season" e, para isso, está a usar os dois pilotos com a situação contratual mais indefinida, algo de que se falou bastante no último Grande Prémio. Falamos pois de Lewis Hamilton e Valteri Bottas.

Hamilton é o actual campeão do mundo de F1. O britânico de 30 anos é neste momento o piloto em melhor forma no grid do "grande circo" e a sua qualidade é reconhecida por todos. A renovação do seu contrato tem sido sistematicamente adiada, com o piloto a querer deixar todas as possibilidades em aberto. A vontade da Mercedes passa obviamente por renovar com Hamilton.

Publicidade
Publicidade

A dupla com Rosberg, embora nem sempre funcionando de forma harmoniosa, garante qualidade e muitos pontos e a Mercedes quer aliar ao melhor carro a melhor dupla de pilotos algo que acontece neste momento.

Perder Hamilton seria um duro revés para a equipa. O piloto tem tratado da renovação, abdicando de um agente e, como tal, o processo torna-se moroso. O tri campeão tem jogado todas as cartas que tem a seu favor para ter o melhor contrato possível. A juntar aos números que apresenta (153 corridas, 36 vitórias, 42 poles) tem apresentado uma forma quase insuperável e, aqui e ali, tem demonstrado interesse noutros lugares vagos, neste caso da Ferrari, tendo já admitido que desde pequeno que torcia pela Scuderia.

Lembrar que Lewis é produto da McLaren, que, desde cedo, apostou na sua formação como piloto e que apostou nele em 2007.

Publicidade

No entanto, não deverá passar de um "bluff" para melhorar o contrato, pois o piloto não terá intenções de abdicar do lugar na equipa que tem o melhor carro.

Não a Hamilton, mas sim a Bottas

Mas o chefe da Ferrari, Mauricio Arrivabene, já disse que não está interessado em ter Hamilton na sua equipa. A Scuderia tem neste momento Vettel e Raikkonen como pilotos, uma dupla que parece entender-se muito bem e cuja contribuição tem permitido à Ferrari melhorar substancialmente em relação ao ano passado. Juntar Hamilton e Vettel seria uma mistura explosiva e a harmonia que se vive estaria por certo posta em causa. Por outro lado, Arrivabene admitiu que Bottas é um piloto interessante para o futuro. O actual piloto da Williams cessa contrato em 2016 e já admitiu que não pretende renovar o vínculo com a equipa de Sir Frank Williams.

E a escolha faria mais sentido. O finlandês de 25 anos (53 corridas, 6 pódios) é apontado desde o ano passado como um possível candidato ao título, caso entre para uma equipa de topo.

Publicidade

Entrando agora para a Scuderia, teria tempo para se instalar e adaptar-se à equipa, enquanto Vettel asseguraria os resultados, fazendo, assim, uma transição mais suave.

Pressão em Raikkonen

Tudo isto vem colocar pressão em Kimi Raikkonen, que, no ano passado, esteve a milhas do que pode e deve fazer e que este ano parece ter reencontrado a boa forma. No entanto, o seu desempenho nas qualificações tem deixado a desejar e tem impedido o "Iceman" de lutar por pódios. O chefe da equipa italiana já admitiu que poderá ficar com a mesma dupla para o próximo ano, mas que isso depende do desempenho de Kimi durante o resto da temporada.

Temos então um Hamilton que se diz fã da Ferrari, mas que por certo está apenas a usar isso para conseguir um contrato melhor; temos um Bottas que não irá renovar com a Williams e que parece a escolha mais provável da Ferrari para um futuro próximo; e temos um Raikkonen que terá de provar este ano que merece ficar na Ferrari. O resultado desta equação? Só lá para os finais do Verão é que deverá ser conhecido. #Automobilismo