Acreditar até ao fim! Este será o lema mais utilizado no balneário dos Dragões, agora que o relógio do Campeonato começa a chegar ao fim e o Benfica continua ali tão perto... apenas 3 pontos.

O FC Porto entrou autoritário na partida, tal como era esperado, embora sem grande intensidade e com momentos no jogo em que a passividade tomou conta da equipa. Ainda assim foi um jogo tranquilo e com a missão cumprida. Por seu turno, o técnico José Mota, que com certeza não contava com esta deslocação para ganhar pontos na fuga à despromoção, apresentou um Gil Vicente personalizado e que, dentro das suas limitações, tentou sempre chegar à baliza de Helton.

Publicidade
Publicidade

À passagem pelos 10 minutos, Cadú derrubou Jackson dentro da área. Quaresma chamado a converter o penálti não conseguiu enganar o guardião Adriano, que defendeu para o lado. Na sequência do lance, Quaresma recuperou a bola e centrou para Jackson abrir o marcador. Com o objetivo atingido, os portistas trocavam o esférico de forma lenta, não criando as oportunidades desejadas pelos adeptos. Ainda assim, por duas vezes o FC Porto esteve perto de aumentar a contagem antes do intervalo, mas Quaresma e Brahimi quiseram oferecer o golo de novo ao colombiano em vez de alvejarem a baliza.

Alterações no onze trouxeram velocidade à dinâmica portista

O segundo tempo foi mais do mesmo, total domínio azul-e-branco. Mas, ao contrário do primeiro tempo, com mais velocidade e intensidade.

Publicidade

Lopetegui mexeu logo aos 5 minutos e trocou o meio-campo, saíram Herrera e Casemiro e entraram Rúben Neves e Evandro, e a equipa ganhou nova dinâmica atacante. Sempre por cima no jogo, os Dragões encostaram definitivamente os Galos de Barcelos às cordas, adivinhando-se o golo da tranquilidade a qualquer momento. Num minuto de azar, os portistas enviaram a bola ao poste por duas vezes, primeiro Martins Indi, que apareceu soltou ao segundo poste, e logo de seguida Evandro num cabeceamento acertou de novo no ferro. O relógio não parava e quando já alguns adeptos abandonavam o Dragão, eis que Jackson voltou a brilhar, pontapé de bicicleta perfeito e bola no fundo das redes, momento de pura magia a 4 minutos dos 90.

No final, triunfo justo do FC Porto por 2-0 sobre o Gil Vicente por números que até podiam ser mais robustos. #Futebol #F.C.Porto