A Ferrari procura voltar às vitórias e aos títulos na Fórmula 1, mas o caminho não será fácil. A Mercedes domina o actual cenário da categoria-rainha, desde a introdução dos novos motores híbridos em 2014. A vitória de Sebastian Vettel no Grande Prémio da Malásia deste ano e a subida de rendimento do novo carro italiano dão esperanças à Scuderia. No entanto, qualquer caminho para os títulos será demorado.

Por enquanto, Vettel quer não só alcançar os superiores Mercedes, como também manter-se a salvo dos rivais atrás. O tetracampeão mundial afirmou ao jornal "Welt am Sonntag" que alcançar a equipa prateada não será para já: "a Mercedes tem o conjunto mais forte.

Publicidade
Publicidade

Não se recupera uma desvantagem destas rapidamente", declarou. A recuperação da Ferrari pode até continuar no próximo fim-de-semana, em que se disputa o GP de Espanha. No traçado dos arredores de Barcelona, a equipa do "Cavallino Rampante" deverá apresentar novidades aerodinâmicas, depois de uma pausa de três semanas.

Sem títulos desde 2008

A vida da Ferrari na Fórmula 1 não tem sido nada fácil nos últimos anos. Os títulos fogem à mítica formação de Maranello desde 2008, quando Felipe Massa (então da Ferrari) falhou o ceptro de pilotos por pouco e a equipa superou a McLaren no campeonato de construtores. O último título de pilotos remonta a 2007, quando Kimi Räikkönen se impôs a Fernando Alonso e Lewis Hamilton.

A entrada de Fernando Alonso (2010) deu renovadas esperanças aos "Tiffosi", mas nas cinco épocas em Maranello, o espanhol só conseguiu estar próximo das conquistas, sem nunca passar de segundo nas contas finais dos campeonatos.

Publicidade

Um final de década de 2000 e início de 2010 que certamente ninguém esperava, depois do domínio exercido pela Ferrari entre 2000 e 2004 com Michael Schumacher ao volante.

Mercedes num domínio avassalador

Há muito que não se via um domínio tão expressivo na Fórmula 1 como o que a Mercedes impôs em 2014. No ano passado, a equipa da "Estrela de três pontas" ganhou 16 das 19 corridas disputadas e, esta temporada, apenas uma de quatro provas escapou aos alemães (todos os triunfos de 2015 foram, até agora, para Lewis Hamilton). Um autêntico monopólio que há alguns anos não se via, já que a Red Bull não venceu confortavelmente alguns dos seus quatro títulos de pilotos e de construtores. #Automobilismo