Stanislas Wawrinka conquistou hoje, pela primeira vez, a segunda prova do Grand Slam, o torneio francês de Roland Garros. Com a duração de 4 partidas, o suíço derrotou Novak Djokovic pelos parciais de 4-6, 6-4, 6-3, 6-4. "Stanimal", uma das alcunhas pela qual é conhecido o 8º do ranking ATP, é o primeiro tenista desde 1988 a conquistar o principal torneio de terra batida em juniores (2003) e no circuito profissional.

Considerado como o principal candidato a vencer em França após bater Rafael Nadal, o número 1 mundial Novak Djokovic entrou da melhor maneira no encontro, vencendo o primeiro set após quebrar o serviço de Wawrinka à terceira oportunidade.

Publicidade
Publicidade

Antevendo-se uma superioridade do líder da hierarquia mundial após a vitória na primeira partida, Wawrinka decidiu inverter o jogo e aproveitar a quebra de rendimento de "Nole" no serviço, aproveitando apenas um dos cinco pontos de break de que dispôs, o que lhe permitiu igualar a partida a um jogo.

Por mais estranho que pareça, uma vez que o sérvio é conhecido pela sua enorme força mental e capacidade de resistência, e talvez também pela pressão adicional de poder concretizar o Grand Slam de carreira, o tetracampeão do Australian Open viu Stan "The Man" começar a disparar winners de toda a maneira e feitio utilizando a sua imagem de marca, a esquerda a uma mão, para que, ao cabo de 2h22m, Wawrinka se encontrasse pela primeira vez em vantagem na final.

Encostado à parede, Djokovic reagiu e iniciou o quarto set a quebrar o adversário para se colocar a ganhar por 3-0.

Publicidade

Mas, do outro lado encontrava-se um guerreiro com uma arma na manga, a sua pancada de eleição, e conseguiu empatar a 4-4 com serviço no jogo seguinte. Foi a "morte do artista"; o líder do ranking ATP não conseguiu devolver as quebras de serviço no nono jogo de serviço ao suíço, sendo quebrado logo de seguida para que, ao segundo match point, caísse por terra a hipótese de Novak concretizar o Grand Slam de carreira em 2015.

"Stanimal" fazia história na "Catedral da Terra Batida" do #Ténis e, ao fim de 3h15m, tornava-se no segundo helvético a conquistar a Taça dos Três Mosqueteiros, o seu segundo Major após a vitória no Australian Open de 2014. Curiosamente, todos os tenistas que conseguiram derrotar Rafael Nadal em Roland Garros não foram aqueles que concretizaram a vitória final, acabando por perder a final sempre para um suíço, como havia acontecido em 2009 com Robin Soderling, ano em que Federer ganhou em Paris, exatamente no dia 7 de junho.

Quanto a Djokovic, os pontos que tinha para defender da edição passada foram defendidos com sucesso, permanecendo intocável na liderança da hierarquia profissional. Certamente tal não servirá de consolo ao nº 1 mundial, que agora tem pela frente a tentativa de revalidar Wimbledon no que respeita a Majors.