A morte do piloto francês de 25 anos é a primeira morte na Fórmula 1, em quase 20 anos, depois de Senna ter perdido a vida em 1994. Bianchi não resistiu aos ferimentos sofridos no acidente de 5 de Outubro de 2014, em Suzuka, Japão, e na noite de sexta-feira, dia 17, faleceu. O jovem piloto esteve cerca de nove meses em coma.

Num comunicado divulgado esta madrugada, a família afirmou que "Jules lutou até ao limite, como sempre fez, mas hoje a sua batalha chegou ao fim". Bianchi esteve internado cerca de 8 meses no Centro Hospitalar da Universidade de Nice, no Sul de França, depois de receber os cuidados iniciais no Japão.

Publicidade
Publicidade

O piloto sofreu uma "lesão axional difusa", um dos tipos de traumatismo cerebral mais grave, ao embater com o seu monolugar contra uma grua que tentava retirar o carro de Adrian Sutil. O piloto da Sauber tinha-se despistado no local, durante o Grande Prémio do Japão de Fórmula 1. Este circuito nipónico é conhecido pelas suas condições climatéricas muito adversas, sendo uma verdadeira prova para os pilotos que a disputam.

Philippe Bianchi, pai de Jules Bianchi, deu uma entrevista esta semana a um meio de comunicação social francês, a France Info, onde confessou viver numa enorme tristeza com a situação em que o filho se encontrava: "É uma tortura diária". Philippe mostrou-se ainda "menos optimista" quanto a uma eventual recuperação de Jules, devido à falta de "progressos significativos".

Publicidade

O acidente que deixou Jules Bianchi em estado vegetativo aconteceu na 43.ª volta do Grande Prémio do Japão de Fórmula 1, no ano passado. Numa primeira fase, a corrida foi suspensa para que pudessem ser prestados os primeiros socorros ao piloto francês de 25 anos. No entanto, quando a gravidade dos ferimentos foi detetada, a prova acabou por ser encerrada.

Lewis Hamilton foi considerado o vencedor do Grande Prémio do Japão de Fórmula 1, com Nico Rosberg e Sebastian Vettel a ocuparem o segundo e o terceiro lugares, respetivamente. Devido à situação frágil em que se encontrava Bianchi, não se assistiu à tradicional celebração de vitória. #Automobilismo