Miguel Oliveira entrou em grande forma na primeira abordagem ao circuito de Phillip Island, onde este fim-de-semana se disputa o Grande Prémio da Austrália. O piloto da KTM foi o mais rápido nas duas primeiras sessões de treinos livres que decorreram na madrugada desta sexta-feira, dia 16 de Outubro. O português já tinha avisado que queria estar na frente na Austrália de forma a conseguir subir ao segundo lugar do mundial da categoria Moto3. Actualmente Miguel Oliveira encontra-se na terceira posição do campeonato.

De acordo com o site da Rádio Renascença, Miguel Oliveira alcançou na primeira sessão de treinos livres o tempo mais rápido das duas sessões disputadas até ao momento, com 1.37,803 minutos.

Publicidade
Publicidade

O piloto português da KTM bateu o líder do campeonato Danny Kent por 0.210 segundos. Na segunda sessão Miguel Oliveira foi apenas o terceiro mais rápido, atrás de Navarro e Binder, mas nenhum piloto conseguiu suplantar o tempo do português da primeira sessão.

Miguel Oliveira tem estado em grande forma nas últimas provas e alcançou três pódios consecutivos, o último dos quais no fim-de-semana passado, no Japão. Em declarações ao jornal Record, o português afirma que na Austrália quer continuar pressionar o italiano Enea Bastianini, que está à frente do piloto da KTM com uma vantagem de apenas nove pontos.

Sabendo tratar-se de uma prova que habitualmente é corrida em grupo e muito competitiva, Miguel Oliveira refere a importância de estar na frente da corrida desde o início, pelo que o bom andamento demonstrado na sessão de treinos é animador para o português.

Publicidade

O jovem piloto de Almada, que já tem lugar na próxima temporada na categoria Moto2, ainda se encontra na luta pelo título de Moto3, apesar de ser cada vez mais difícil, dada a vantagem de Danny Kent. O português é o único a ter conseguido subir ao pódio numa prova de velocidade do Campeonato do Mundo de motociclismo. Miguel Oliveira foi ainda mais longe e em 2015 alcançou três vitórias em Moto3, em Itália, na Holanda e em Espanha.

Não tivesse sido a operação a que teve de ser sujeito durante a temporada devido a uma queda, além de alguns azares em algumas provas, e o português poderia estar numa boa posição para conquistar o título mundial. #Motociclismo