O regresso de Michael Schumacher à Fórmula 1, com a Mercedes, entre 2010 e 2012, é normalmente definido como um fracasso. O alemão não foi campeão, não somou qualquer vitória e foi batido por Rosberg ao longo desses três anos. No entanto, trata-se de uma análise muito dura para aquilo que o alemão conseguiu fazer. Schumacher tinha 41 anos quando a temporada 2010 começou, e 43 quando terminou 2012. Na época moderna, nenhum piloto com mais de 40 anos conseguiu fazer o que ele fez.

Publicidade

Ver Schumacher durante esses 3 anos foi como ver a História a acontecer. Era como se o alemão se tivesse tele-transportado lá de onde estava.

Publicidade

Alonso, Hamilton, Webber, Rosberg, Button, Raikkonen, Kobayashi, Vettel, etc., eram nomes do presente. Nalguns casos, já veteranos. Mas Schumacher era 16 anos mais velho que o seu colega de equipa, Nico Rosberg. Não há memória de tal diferença de idades entre companheiros de equipa na F1 moderna.

Schumacher foi o único piloto a ter acidentes simultaneamente com Ayrton Senna (França/92) e Bruno Senna (Espanha/12).

Logo na primeira corrida (Austrália/10), Schumacher passou cerca de 20 voltas atrás de Jaime Alguersuari, um jovem da Toro Rosso nascido em Março de 1990. Aquele seu adversário tinha 1 ano e meio quando Schumacher se estreou em Spa-Francorchamps, com a Jordan. Foi uma luta surreal, e o mais velho acabou por passar e conquistar 1 ponto. 

Expectativas exageradas

O erro de Schumacher foi na sua própria abordagem a esta aventura. Ele próprio declarou, em 2010, que vinha para obter vitórias e ser campeão. Deveria ter afirmado o inverso: que continuava cheio de vontade de competir, que não podia recusar o convite da Mercedes que o patrocinou no início da carreira, que pretendia ajudar a Mercedes a vencer, e deixando no ar a hipótese de ser ele em vez de Rosberg.

Publicidade

Com este cenário, as expectativas do público ter-se-iam concentrado menos no resultado absoluto de Schumacher e mais naquilo que ele estava a conseguir fazer depois dos 40 anos.

Considera-se que foi um período de decadência para o alemão, mas curiosamente 2012 foi o ano em que o Hepta melhor se comparou com Rosberg. Foi nesse ano que marcou o melhor tempo na qualificação no Mónaco e por várias vezes andou muito perto do colega. É como se estivesse a progredir ao longo desses 3 anos, e não a piorar. E quanto à famosa 'batida' na traseira de Jean-Eric Vergne em Singapura, a verdade é que são coisas que acontecem: a Alonso (Austrália/16), a Verstappen (Mónaco/15), e até a Senna (Austrália/92).

Só Barrichello (3 anos mais novo) acompanhou o alemão nesta viagem no tempo. Mas Schumacher ainda ficou para 2012, uma temporada a mais que o brasileiro.

Schumacher, campeão dos quarentões

Os pilotos com mais de 40 anos que correram nos últimos 25 anos são Philippe Alliot, Nigel Mansell e Pedro de la Rosa.

Publicidade

O espanhol, "quarentão", fez uma última época discreta na já defunta equipa HRT. Mansell venceu 1 GP no seu regresso à F1 em 1994, mas foi claramente batido por Damon Hill, tanto que Frank Williams não o conservou para 1995; o "Leão" foi então para a McLaren, onde terminou embaraçosamente a sua carreira após 2 GP. Quanto a Alliot, já ninguém se recorda da sua corrida em substituição do penalizado Hakkinen (Hungria/94.)

Ao pé destes resultados, as 3 temporadas de Schumacher ao lado de Rosberg são absolutamente esmagadoras e provam o super-atleta que ele continuou a ser. O heptacampeão manteve-se num nível competitivo extraordinário para a sua idade. E o facto de a Sauber ter estado interessada nele para 2013 é uma prova disso.

O problema foi que todos esperávamos ver em 2012 o Schumacher de 1998 - inclusive ele próprio. O Schumacher desta década deve, em vez disso, ser encarado como um "sideshow", um espectáculo dentro do espectáculo. #Automobilismo