O BESI manteve esta sexta-feira, 4 de Julho, a EDP Renováveis, Zon Optimus e Sonae como "balas de prata" para o mercado ibérico. As "balas de prata" correspondem às empresas preferidas da unidade de "research" do BES para Portugal e Espanha, tanto pelo seu valor como pela possibilidade de algum evento ou circunstância lhes acrescentarem potencial nos próximos três meses.



As três empresas já constavam da lista das favoritas do BESI, que conta ainda com a espanhola Abengoa. Contudo, na análise divulgada esta sexta-feira, os analistas do BESI acrescentam o Liberbank e a Atresmedia.

O preço-alvo atribuído pelo BESI à EDP Renováveis é de 6,30 euros, tendo implícito um potencial de valorização de 16% face aos 5,433 euros a que a empresa negoceia esta sexta-feira, 4 de Julho, em bolsa.



A sustentar esta opção dos analistas está a qualidade dos activos da empresa e o crescente interesse dos investidores pelas energias renováveis. Além disso, acrescenta a nota de "research", com a aprovação da nova regulação em Espanha, "vemos como um catalisador, para o terceiro trimestre, um possível acordo com a CTG, relacionado com os activos espanhóis". Em relação à Sonae SGPS, o BESI mantém o preço-alvo em 1,47 euros, o que tem implícito um potencial de valorização de 19,5%, tendo em conta a actual cotação da empresa liderada por Paulo Azevedo de 1,23 euros. 

Os analistas do BESI justificam o seu optimismo baseados na expectativa de que as acções venham a beneficiar da procura crescente por imóveis comerciais em Portugal e em Espanha. O BESI acredita que "o momento positivo da Sonae Serra e SR [retalho não alimentar] deve mais do que compensar a recente deterioração do segmento alimentar em Portugal", que afecta a unidade de retalho alimentar da Sonae, o Modelo Continente.  Já em relação à Zon Optimus, o preço-alvo apontado pela unidade do investimento do BES é de 6,90 euros, o que, tendo em conta a cotação actual de 4,881 euros, supõe um potencial de valorização de 41% para as acções da operadora. Nesta fase, os analistas acreditam que o principal catalisador que poderia impulsionar as acções da Zon Optimus seria "uma melhoria na dinâmica competitiva do mercado português". Na opinião dos analistas, uma decisão da Vodafone de abandonar a sua política de preços agressiva ou mesmo de comprar a Cabovisão "poderia levar a uma melhoria do cenário competitivo" e fortalecer a confiança dos investidores na operadora. #Negócios