O Waldorf Astoria, situado em plena Park Avenue, em Nova Iorque, um dos mais prestigiados e valiosos hotéis do mundo, foi adquirido por uma companhia chinesa. A seguradora Anbang, sedeada em Pequim, actua nos Estados Unidos, emprega 30 000 pessoas e os seus serviços (financeiros e de seguros) são fornecidos a cerca de 20 milhões de pessoas. A informação chega do próprio grupo Hilton, através de um comunicado à imprensa. O Astoria foi fundado em 1931 e acumulou uma história riquíssima - em tempos considerado o maior hotel do mundo, foi o primeiro a oferecer serviços de quartos, ainda hoje oferece cerca de 1500 quartos, 100 suítes, 47 pisos e condições ímpares - ao ponto de produzir o seu próprio mel, com as colmeias instaladas num dos seus pisos elevados.

Publicidade
Publicidade

A Anbang concretizou a aquisição por 1,55 mil milhões de euros - o equivalente a 15,5 vezes o valor de compra de Cristiano Ronaldo pelo Real Madrid. O grupo Hilton Worldwide terá feito um dos #Negócios basilares da sua vida empresarial: ficará responsável pela gestão do hotel durante 100 anos, e utilizará os lucros do negócio para reinvestir na sua vasta cadeia de hotéis de luxo espalhada pelo mundo.

A notícia é interessante do ponto de vista português. A opinião pública portuguesa sente que muito do seu património empresarial e corporativo tem sido vendido ao capital internacional - e em especial ao capital chinês, dada a participação na estratégica EDP. Contudo, como em tantas outras ocasiões, Portugal não é um caso único ou diferente dos restantes - é antes um país totalmente integrado no sistema internacional.

Publicidade

Pese um crescimento acima ou abaixo dos 2 dígitos, a China tem hoje um imenso volume de capital que vai alavancar a sua posição como primeira potência mundial - e os Estados Unidos são um dos seus principais dependentes, deste ponto de vista. A aquisição do Astoria é, mais que tudo, simbólica pelo prestígio associado ao hotel - embora não especialmente importante do ponto de vista empresarial ou estratégico. É, contudo, um sintoma importante da crescente importância dos chineses da economia - e na política - mundial.

Até ao momento, não se reconhecem reacções de Paris Hilton, a famosa socialite herdeira do grupo que viveu neste hotel durante a sua infância.