Já não é novidade para ninguém: a cada novo ano os preços sobem e os portugueses já estão mais do que habituados. Assim, 2015 não será exceção. Segundo dados revelados pelo #Governo no relatório que acompanha o Orçamento de Estado para 2015, prevê-se uma média de 0,7% no aumento dos preços em Portugal. Vejamos algumas das principais alterações dos preços face a 2014:

Água

O preço da água tem previsão de subida para 25 municípios e descida nos restantes. Os habitantes do litoral são os que vão sair mais prejudicados: a fatura mensal da água pode ter um aumento máximo de 68 cêntimos. Algumas cidades afetadas serão Lisboa, Porto e Cascais.

Publicidade
Publicidade

Em contrapartida, os habitantes do interior, como por exemplo, da região de Trás-os-Montes e Alto Douro, saem beneficiados com a redução do valor da fatura.

Taxas moderadoras

As taxas moderadoras nos hospitais vão baixar no próximo ano e nos centros de saúde devem manter-se sem qualquer alteração. No que respeita aos hospitais, a redução da taxa moderadora anda à volta de cinco cêntimos num serviço de urgência polivalente. As restantes taxas moderadoras, referentes a consultas e exames em hospitais, voltam aos valores de 2013.

Bebidas alcoólicas

Para 2015 prevê-se um aumento de 2,9% no imposto sobre a cerveja e as bebidas espirituosas. O Governo pretende fixar o imposto da cerveja nos 7,75 por hectolitro para volumes de álcool mais baixo e 27,24 euros por hectolitro para volumes de álcool mais elevados.

Publicidade

Nas bebidas espirituosas o imposto irá registar um aumento de 2,9%.

Tabaco

No próximo ano o tabaco de enrolar vai ser mais caro do que os cigarros normais, vendidos em maços. Segundo a Associação Europeia do Tabaco, 20 cigarros, incluindo filtro e mortalha vão custar 4,75 euros. Em média, um maço de tabaco com 20 cigarros custa 4,10 euros. Ou seja, o tabaco de enrolar seria pelo menos 0,65 cêntimos mais caro. Já o tabaco normal pode registar uma subida entre os 10 e os 20 cêntimos.

Sacos de plástico

Os sacos de plástico que costumamos encontrar nos supermercados vão passar a custar 0,10 cêntimos. Com esta medida prevê-se que os consumidores passem a usar menos sacos de plástico, contribuindo assim para a preservação do ambiente.