O preço de referência do barril de crude nos mercados de Londres e Nova Iorque continua a descer nesta sexta-feira. Em Londres, o índice de Brent desceu 0,46% e fixou-se em 63,39 dólares. Em Nova Iorque, a queda de 1% fez mesmo baixar para os 59,35 dólares. Estes valores estão perto de atingir mínimos de cinco anos, continuando a tendência de queda que se tem feito verificar nas últimas semanas.


A decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), "liderada" pela Arábia Saudita, de manter os níveis de produção (segundo uma alegada estratégia de cerco americano à Rússia e ao Irão) tem levado à queda súbita dos preços, tendo em conta a maior oferta por parte dos Estados Unidos e o abrandamento da procura mundial. Este abrandamento explica-se em boa parte pelo abrandamento da economia chinesa e do seu crescimento industrial. Contudo, nos Estados Unidos o optimismo está a crescer e promete um 2015 surpreendentemente dinâmico. Não só pela queda do preço do petróleo, mas também pelo crescimento das vendas a retalho e pela queda nos pedidos de subsídio de desemprego. E de acordo com o Jornal de Negócios, também as bolsas japonesas estão em alta, contagiadas pelo optimismo americano.


Tudo isto está a reflectir-se no preço dos combustíveis em Portugal. A "vox populi", recolhida pelas televisões nacionais e divulgada nos principais noticiários, continua a apontar que "a gasolina desce hoje 1 cêntimo e amanhã sobe 5 cêntimos". Contudo, esta opinião reflecte a instabilidade e a subida que se verificou no final da década passada, e que levou inclusivamente a uma grave crise com a paragem dos camionistas no Verão de 2008. Desta vez, a descida dos combustíveis está a ser tão acentuada como a do petróleo - mesmo que esteja a vir com algum atraso em relação à evolução dos mercados. A TVI24 prevê um preço médio de 1,40€/litro para a gasolina e 1,22€/litro para o gasóleo na próxima semana, com novas descidas de 3 a 4 cêntimos por litro. Serão 4 semanas consecutivas de queda de preços, muito bem acolhidas pelos portugueses que preparam as viagens do período de Natal e Fim de Ano, com o canal da Endemol a estimar em cerca de 20 cêntimos a queda do preço por litro relativamente ao início do ano.