Nos últimos três meses o crude tem vindo a sofrer uma desvalorização na ordem dos 60 dólares. Encontra-se muito próximo do valor verificado em Fevereiro de 2009, altura em que o barril esteve cotado em cerca de 40 dólares. Em menos de 6 meses já desvalorizou 60%. O valor de 40 dólares é considerado forte, o que dará uma certa estabilidade, mas poderá existir uma nova queda, podendo o preço do crude atingir valores de há 12 anos, altura em que chegou a estar abaixo dos 30 dólares.

Normalmente e de acordo com o histórico das cotações do crude, as desvalorizações tendem a ser mais rápidas do que as valorizações. Em 2008 o preço do crude chegou a rondar os 140 dólares por barril, sofrendo uma queda muito rápida na ordem dos 100 dólares em apenas 9 meses.

Publicidade
Publicidade

Desde então o crude não voltou a atingir tais valores e apenas ultrapassou a resistência dos 100 dólares praticamente 2 anos depois. Nos últimos 3 meses, a desvalorização tem sido muito acentuada, praticamente sem períodos de estabilização, baixando do valor dos 70 dólares facilmente e em apenas 4 dias.

Esta poderá ser uma grande oportunidade para os investidores, já que o valor de 40 dólares é forte e o investimento poderá ter um retorno imediato. O risco continua elevado. No entanto a curto prazo prevê-se uma estabilização no preço referido. A força deste suporte será testada, o que pode levar a uma inversão da tendência. No entanto, neste momento a tendência é de descida e assim poderá manter-se durante as próximas semanas.

A evolução das cotações do dia de hoje continua com a tendência de descida, apresentando uma desvalorização acima dos 2,5%, tendo atingido os valores abaixo dos 44,30 dólares.

Publicidade

Nas últimas duas horas assistiu-se a uma pequena reacção, levando a cotação a atingir timidamente a marca dos 45 dólares. Apesar do valor do crude continuar a descer, começa a existir uma certa esperança por parte dos investidores, sendo o que consideram o suporte dos 40 dólares muito forte e como ponto de viragem. Para muitos a quebra deste suporte é impensável. A análise técnica do crude recomenda uma forte venda. #Negócios