O Governo ratificou o caderno de encargos para a privatização da Transportadora Aérea Portuguesa (TAP) em Conselho de Ministros e assegurou a proibição de despedimentos coletivos nos dois anos e meio depois da venda da companhia. O trabalho não pára, na companhia, enquanto for discutido o futuro, e por esse mesmo motivo o trabalho dos seus profissionais foi reconhecido através do Amadeus Brighter Awards. Os prémios de turismo e viagens distinguiram o presidente executivo da TAP, Fernando Pinto como "Gestor do Ano do Setor Privado" e Luiz da Gama Mor, administrador executivo, como "Gestor do Ano em Aviação". As atribuições destinaram-se a personalidades que de alguma forma se destacaram no turismo em Portugal em 2014.

Publicidade
Publicidade

Sobre a questão dos despedimentos, o Secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, no briefing com os jornalistas, após a aprovação do caderno encargos, teria dito que a proteção contra despedimentos e alargamento de prazos se estenderia apenas aos associados dos nove sindicatos que teriam feito acordo, no passado, com o Governo. O acordo entre as partes relaciona-se com a desconvocação de uma greve que teria sido agendada de 27 até dia 30 de Dezembro de 2014. Ficariam de fora os seguintes sindicatos: Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos e Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil.

O processo relacionado com a companhia aérea portuguesa demonstrou que no período em que os sindicatos e o Governo não chegavam a um consenso, muito antes de uma possível greve, o Presidente da República, Cavaco Silva, nos 40 dias para uma decisão, optava pela sua promulgação. Polémicas à parte, e se quaisquer dúvidas existissem, o Ministro da Economia, António Pires de Lima, esclareceu que o que prevalece nestes casos é a Lei Geral do Trabalho Portuguesa.

Publicidade

"Os 30 meses abrangem todos os trabalhadores da companhia", frisou.

Apenas dois dos cinco potenciais interessados manifestaram até ao momento qualquer interesse na aquisição da transportadora. #Negócios