Em primeiro lugar do ranking das consultoras imobiliárias Knight Frank e Work, citado pelo Expresso online, aparece Hong Kong, onde cada metro quadrado de área de escritórios custa 62 mil euros. Em Luanda, com cerca de 88 milhões de euros é possível comprar 9.523 metros quadrados para se instalar num escritório moderno da cidade. Este valor deixa a capital, Angola, na 14ª posição na lista das mais caras do mundo.

O estudo foi feito pelas consultoras imobiliárias Knight Frank e Worx, como dá conta o Expresso, e revela quantos metros quadrados de escritórios é possível comprar em cada uma das 32 cidades mais caras do mundo com a quantia de 88 milhões de euros.

Publicidade
Publicidade

A seguir a Hong Kong, onde com aquele valor é possível comprar 1.427 metros quadrados, aparece Singapura, onde seria possível adquirir 3.529 metros quadrados de escritório. Paris aparece em 4º lugar no ranking mundial. No entanto, afigura-se a mais cara da Europa. Ali seria possível comprar 3.995 metros quadrados por 88 milhões de euros. Em Londres o mesmo valor daria para 4.439 metros quadrados.

Já por Portugal, Lisboa está bem longe da lista das 32 cidades mais caras do mundo. Na capital portuguesa, os mesmos 88 milhões de euros dariam para comprar 25.987 metros quadrados.

Angola tem vindo a ser um destino para exportações e investimentos dos empresários portugueses. Recentemente, o Diário Económico, citando dados da Agência para o investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), deu conta que mais de 9 mil empresas portuguesas exportam para Angola.

Publicidade

Rica em recursos naturais, como reservas de minerais e de petróleo, Angola tem visto a sua economia crescer exponencialmente, sobretudo depois do final da guerra civil que assolou o país entre 1975 - ano em que obteve a independência de Portugal - e 2002. No entanto, os padrões de vida angolanos continuam baixos. Cerca de 70 por cento da população vive com menos de dois dólares por dia, enquanto a maior parte da riqueza está concentrada numa pequena percentagem da população. #Negócios