Falou-se que, ao longo do presente ano, a Comissão Europeia deveria estabelecer um limite para a utilização dos cartões de crédito e débito. E logo no princípio de Janeiro, o Pingo Doce anunciou que os seus clientes poderão passar a pagar com cartão multibanco todas as suas compras, eliminando a regra de que apenas o poderiam fazer em compras superiores a 20 euros. A agência Lusa informou que, segundo informações dadas por esta cadeia de supermercados, o Pingo Doce já aceita, desde dia 2 de Janeiro, que qualquer compra seja liquidada através do uso de cartão de débito ou de crédito. A política de restrição do pagamento com cartão multibanco a compras superiores ao valor supramencionado já tinha sido alvo de várias críticas, nomeadamente por associações de apoio ao consumidor como é o caso da DECO.

Publicidade
Publicidade

Lembre-se que em Setembro de 2012 foram contestadas as taxas pagas pelo consumidor quando este efectuava uma transacção bancária.

Aquando da tomada de decisão de fixar um limite mínimo de 20 euros para que se pudesse utilizar o cartão bancário, a cadeia Pingo Doce esperava poupar cerca de cinco milhões de euros ao ano. De acordo com o Jornal Económico, a Unicre (Instituição Financeira de Crédito) estabeleceu taxas distintas para pequenas e médias empresas e a nível comunitário prevê-se o estabelecimento de taxas sobre transferências interbancárias. Contrastando com estas políticas, o grupo Pingo doce decidiu facilitar as compras.

A cadeia de supermercado aponta como principal motivo da limitação na utilização de cartões bancários os elevados custos relacionados com "as comissões bancárias".

Publicidade

Em comunicado, um membro do grupo Jerónimo Martins refere que, no início deste ano, foi possível a implementação desta política visto o montante cobrado para a transacção ter sofrido alterações. Nesta mesma linha de pensamento, o jornal Sol anunciou que, já neste ano, a União Europeia reduziu o valor das taxas cobradas aos cartões bancários, tendo sido estabelecido como limite máximo 2 cêntimos por transacção. #Negócios