Um total de 26 autarquias perfez o número de entidades até ao momento que adaptaram uma estratégia municipal de adaptação às alterações climáticas. O projeto ClimAdaPT.Local envolveu um financiamento de cerca de 1,5 milhões de euros. A Câmara Municipal do Barreiro foi uma delas, ao assinar um documento de parceria com a ClimAdaPT.Local, no passado dia 15 de Janeiro, no Salão Nobre da Reitoria da Universidade de Lisboa. Este ato permitirá que o Barreiro e os restantes tenham a partir de Abril do próximo ano um plano relacionado com este tipo de matéria. As principais áreas indicadas no projeto foram a proteção ambiental, mudanças no clima, a investigação, a sociedade e tudo o que a compõe, nas quais a saúde, as crianças, a igualdade de género, a justiça e a cultura.

Publicidade
Publicidade

“O País pode contar com os municípios portugueses para mais este desígnio”, afirmou o vereador da Câmara Municipal do Barreiro com a pasta do Planeamento, Ordenamento do Território, #Ambiente, Paisagismo e Mobilidade, Rui Lopo. O representante, conforme comunicado do Município, recordou a importância da sensibilização das autarquias, dos seus funcionários e da população para assuntos relacionados com o clima, as suas implicações na vida diária, “a saúde pública e um pacote financeiro” para passar ao campo da prática. O objetivo delineado apontou para a formação de 52 técnicos capacitados em alterações climáticas, a criação de uma plataforma e de uma rede de municípios para o efeito. 

Esta estratégia, integrada no Programa AdaPT, e que beneficiou de um apoio de 1.275.000 euros da Islândia, Liechtenstein e Noruega, espalhou-se por um elevado número de zonas de Portugal.

Publicidade

Os beneficiários foram Viana do Castelo, Montalegre, Bragança, Braga, Guimarães, Amarante, Porto, S. J. Pesqueira, Ílhavo, Tondela, Seia, Figueira da Foz, Leiria, Tomar, Castelo Branco, Castelo de Vide, Torres Vedras, Coruche, Sintra, Cascais, Lisboa, Almada, Évora, Ferreira do Alentejo, Odemira e Loulé. Das regiões autónomas, o Funchal (Madeira) e Vila Franca do Campo (S. Miguel, Açores).

Os pioneiros nesta matéria foram Almada, Cascais e Sintra.