A Galp divulgou a possibilidade de existência de petróleo na região brasileira de Iara e Entorno de Iara. A declaração, relacionada com o pré-sal da Bacia de Santos, foi entregue à Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) pela sua subsidiária Petrobras. A empresa portuguesa detém dez por cento do consórcio do campo, denominado de BM-S-11; 65% pertence também ao Petróleo Brasileiro S.A e os restantes 25% ao BG Group. As atividades da Galp Energia estendem-se pela Península Ibérica, Brasil, Uruguai, Timor-Leste, Cabo Verde e por vários pontos do continente africano.

Em relação aos desenvolvimentos em torno do projeto no Brasil, o consórcio atribuiu aos três novos campos os nomes de Berbigão, Sururu e Atapú Oeste.

Publicidade
Publicidade

Sobre o plano de Avaliação de Iara, e segundo o comunicado, a "exploração e avaliação realizadas pelo consórcio foram iniciadas em Setembro de 2008" com a intenção de obtenção de uma leitura relacionada com atividade sísmica 3D na área indicada e com a realização de um Teste de Longa Duração (TLD).

O Brasil tem uma área total de 8.514.880 km2, os seus habitantes falam Português e o país tem um sistema político de uma república federal. As principais áreas de exportação abrangem os equipamentos para transportes, ferro, soja, sapatos e café. A presença do grupo energético neste país data de 1999 e desde então a empresa tem cerca de 28 projetos em conjunto com a Petrobras, em que o maior desígnio está mesmo na Bacia de Santos, nos campos Lula e Iracema. São consideradas "as maiores reservas de petróleo e gás natural situadas a 5.000 metros abaixo do nível do mar".

Publicidade

A estratégia de negócio, tendo na sua principal intenção a criação de valor para a empresa, passa pelo desenvolvimento de exploração e produção das "bacias mais promissoras a nível mundial" espalhadas por nove países. Em Portugal, um acordo entre a Galp Energia e a Eni deu origem a uma exploração de hidrocarbonetos na Bacia do Alentejo. Apesar dos avanços e descobertas das empresas petrolíferas, ainda existem muitas incertezas no panorama internacional. #Negócios